quinta-feira, 24 set 2020
Publicidade

Justiça bloqueia 2,5 milhões de ex-diretor da Ancine

Um juiz da 8ª Vara Federal do Rio de Janeiro  decretou via liminar o bloqueio dos bens de Chistian de Castro, ex-diretor presidente da Ancine, em até R$ 2,5 milhões. A liminar atende a uma ação de improbidade administrativa.

Christian de Castro, diretor-presidente da Agência Nacional do Cinema (Ancine) – Foto: Pedro França/Agência Senado

Sérgio Sá Leitão, ex-ministro da Cultura e atual Secretário de Cultura e Economia Criativa do governo Doria, também teve os bens bloqueados.

De acordo com as provas, Christian é proprietário da offshore Supro Limited, com sede nas Ilhas Virgens Britânicas. Ele teria escondido essa informação e prestado falso testemunho.

O bloqueio de bens também atingiu Ricardo Cesar Pecorari, Claudia Pedrozo, Marcos Tavolari, Ricardo Martins, também por improbidade administrativa. Os bens foram bloqueados até o limite de R$ 365 mil cada um.

A decisão ainda reafirma o afastamento compulsório de Castro de suas atividades, mas essa decisão é inócua, já que o ex-diretor renunciou ao seu cargo recentemente.

Magno Maranhão Júnior e Juliano Vianna tinham sido reintegrados à Ancine nesta semana, mas, diante da decisão do juiz, voltaram a ser afastados.

 

Redação
Redação
Direto da Redação da Revista Fórum.