Integrante do Kiss critica governo Bolsonaro: “Políticos idiotas”

Em coletiva para lançar documentário sobre a banda, o icônico baixista Gene Simmons defendeu a vacinação em massa e pediu aos brasileiros para ignorarem o governo

O icônico baixista da banda Kiss, Gene Simmons, criticou o governo Bolsonaro durante coletiva de lançamento do documentário “Kisstory” que, como indica o título, conta a história da banda.

Além disso, a banda tem quatro shows no Brasil marcado para 2022. De acordo com os integrantes, essa é a turnê de despedida.

Ao comentar sobre a vinda ao Brasil, Simmons destacou as boas memórias que tem dos shows em território brasileiro, mas também lamentou a maneira como o governo Bolsonaro trata a pandemia.

“A política se mete no meio da ciência e daí temos um monte de merda. Há pessoas morrendo, então, por favor, se vacine. Você precisa fazer isso por você e pelos outros que podem morrer porque um político disse que a pandemia é fake. Políticos são idiota. Ouça os cientistas e os médicos”, declarou Gene Simmons.

Ainda sobre a questão da pandemia, o artista declarou que durante a turnê mundial todos envolvidos “usarão máscaras, lavarão as mãos a todo momento e estarão vacinados”.

Apesar de estar cético quanto ao cenário político no Brasil, Simmons afirmou que o show da banda no Maracanã, em 1982, é um dos momentos mais marcantes de sua vida.

“Lembro de olhar para o estádio do Maracanã, o maior do mundo, e não entender a quantidade de pessoas que estavam lá. Se eu pudesse, tocaria esse show todas as noites. Foi a coisa mais maravilhosa que já vivemos. Foi como se estivéssemos tocando para o mundo”, revelou Simmons.

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).