Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
23 de outubro de 2012, 00h55

Laboratório de Políticas Públicas Culturais é lançado no Rio

Escola de Comunicação da UFRJ e Rede Ação Griô fazem parceria para fortalecer a tradição oral em diálogo com a educação formal

Escola de Comunicação da UFRJ e Rede Ação Griô fazem parceria para fortalecer a tradição oral em diálogo com a educação formal

Da Redação 

Bandeira da Lei Griô Nacional (Foto: acaogrio.org.br)

A cultura brasileira ganhou a partir deste sábado, 20, um novo fórum de discussões de políticas públicas para a área, o Laboratório de Políticas Públicas Culturais da Universidade Griô (campus Rio de Janeiro).

Lançado em parceria entre a Rede Ação Griô e a Escola de Comunicação da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), o laboratório foi viabilizado com recursos de uma emenda parlamentar, destinada pela deputada Jandira Feghali (PC do B).

O Laboratório de Políticas Culturais busca ser uma ação de pesquisa e extensão, com gestão compartilhada entre universidades públicas  e movimentos sociais, afim de elaborar e implementar políticas para a cultura no Brasil.

A primeira ação do projeto será fortalecer a experiência da Rede Ação Griô, no diálogo entre a tradição oral e a educação formal, por meio do projeto da Universidade Griô, e através da mobilização na Internet para pressionar que projetos de lei de interesse dos pontos de cultura, Lei Griô e a Lei Cultura Viva, sejam votados e aprovados.

A Lei Griô, em tramitação no Congresso, tem como objetivo a valorização dos mestres da cultura oral e o fomento desta tradição. Seu principal mecanismo é a oferta de bolsas de incentivo para os griôs, mestres da tradição oral, para que promovam, através de encontros regulares, o diálogo entre os saberes da tradição oral e da educação formal. Já a Lei Cultura Viva busca transformar os pontos de cultura de uma política de governo para uma política de Estado, garantindo sua continuidade e o repasse de verbas.

A Rede Ação Griô congrega 100 mil estudantes, griôs, mestres, pontos de cultura e comunidades em torno da valorização da cultura de tradição oral em diálogo com a educação formal. A rede foi  criada como política pública, em 2006, pelo Ponto de Cultura Grãos de Luz e Griô, de Lençóis (BA), em parceria com o Programa Cultura Viva, da Secretaria de Cidadania e Diversidade Cultural do Ministério da Cultura.

O lançamento do Laboratório de Políticas Culturais aconteceu neste sábado (20), no Teatro de Arena da UFRJ, no campus da Praia Vermelha, Rio de Janeiro. O evento contou com a presença da presidenta da Frente Parlamentar de Cultura do Congresso Nacional, Jandira Feghali, da Secretária de Cidadania Cultural do MinC, Márcia Rollemberg, mestres e griôs da Comissão Nacional dos Griôs e Mestres de Tradição Oral, o cantor, compositor e  Secretário de Cultura da Paraíba, Chico César, o rapper GOG (DF) e a cirandeira Lia de Itamaracá (PE).

Griô

De acordo com a Rede Ação Griô, na tradição oral do noroeste da África, o griô é um caminhante, cantador, poeta, contador de histórias, genealogista, artista, comunicador tradicional ou mediador político de uma comunidade.

No Brasil, a palavra griô refere-se ao cidadão que seja reconhecido, ou se reconheça, como um mestre das artes, da cura e dos ofícios tradicionais, líder religioso de tradição oral, brincante, cantador, tocador de instrumentos tradicionais, contador de histórias, poeta popular, que, através da oralidade e da sua vivência torna-se a memória viva do seu povo. Já a Lei Cultura Viva, visa transformar os pontos de cultura de uma política de governo para uma política de Estado, garantindo sua continuidade e o repasse de verbas.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum