Lançamento de “Figuras da Violência” é nesta quinta, 21/06

Livro de Idelber Avelar reúne oito ensaios sobre as dimensões retórica e política da violência

Livro de Idelber Avelar reúne oito ensaios sobre as dimensões retórica e política da violência 

Por Redação 

O colunista da Fórum e professor de  Literatura Latino-americana, da Tulane University (New Orleans), Idelber Avelar, lança nesta quinta, 21, o livro Figuras da violência: Ensaios sobre ética, narrativa e música popular (Editora UFMG). Trata-se de uma coleção de textos, alguns inéditos, outros traduzidos e recauchutados a partir de escritos anteriormente publicados em inglês.

O lançamento será na Livraria da Vila (Rua Fradique Coutinho, 915 – Vila Madalena), às 18h30.

Sinopse
Figuras da violência reúne oito ensaios independentes, que têm em comum o tratamento da interseção entre as dimensões retórica e política da violência. A introdução revisa teorias da violência, de Clausewitz, que viu a guerra como puro jogo de forças que suspende toda ética, a Virilio, que pensa a guerra contemporânea como superação do paradigma territorial napoleônico e como acontecimento assimétrico, instantâneo, virtual. O capítulo um parte da classicista Page DuBois, que sugere que o depoimento do escravo grego só era tomado como verdadeiro se extraído sob tortura. Daí se retiram algumas conclusões teóricas acerca das relações entre a emergência do conceito de verdade e a sanção da atrocidade na democracia. O capítulo dois é uma extensa crítica da leitura que fez Jacques Derrida de Walter Benjamin, questionando tanto a associação de Benjamin a Heidegger, constante em Derrida, como sua redução da crítica benjaminiana da violência à onda anti-parlamentar da República de Weimar. Os dois capítulos seguintes tratam de fenômenos da música popular das últimas décadas: Sepultura e o movimento heavy metal, que clausuram, para a juventude mineira, o potencial oposicionista e emancipatório da MPB, e Chico Science e a cena manguebeat pernambucana, que criam canais de diálogo entre gêneros “regionais” não legitimados no cânone nacional e gêneros internacionais não sancionados no panteão pop rock. O capítulo cinco toma como mote o breve conto “O Etnógrafo”, de Borges, para pensar as relações entre a ética e a violência constitutiva da empreitada antropológica na era pós-colonial. O capítulo seis é uma introdução à literatura oitocentista da Colômbia, o único país latino-americano não unificado no século XIX. Através de uma análise dos romances fundadores de cada de uma de suas regiões (a Antioquia, o Vale do Cauca, a Costa Caribe e os Andes), o capítulo oferece uma reflexão sobre o romance em épocas pré-estatais marcadas pela guerra civil. O epílogo oferece uma crítica do discurso dos direitos humanos na era da guerra sem fim.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR