idelberavelar

20 de junho de 2012, 16h50

Lançamento de “Figuras da Violência” é nesta quinta, 21/06

Livro de Idelber Avelar reúne oito ensaios sobre as dimensões retórica e política da violência

Livro de Idelber Avelar reúne oito ensaios sobre as dimensões retórica e política da violência 

Por Redação 

O colunista da Fórum e professor de  Literatura Latino-americana, da Tulane University (New Orleans), Idelber Avelar, lança nesta quinta, 21, o livro Figuras da violência: Ensaios sobre ética, narrativa e música popular (Editora UFMG). Trata-se de uma coleção de textos, alguns inéditos, outros traduzidos e recauchutados a partir de escritos anteriormente publicados em inglês.

O lançamento será na Livraria da Vila (Rua Fradique Coutinho, 915 – Vila Madalena), às 18h30.

Sinopse
Figuras da violência reúne oito ensaios independentes, que têm em comum o tratamento da interseção entre as dimensões retórica e política da violência. A introdução revisa teorias da violência, de Clausewitz, que viu a guerra como puro jogo de forças que suspende toda ética, a Virilio, que pensa a guerra contemporânea como superação do paradigma territorial napoleônico e como acontecimento assimétrico, instantâneo, virtual. O capítulo um parte da classicista Page DuBois, que sugere que o depoimento do escravo grego só era tomado como verdadeiro se extraído sob tortura. Daí se retiram algumas conclusões teóricas acerca das relações entre a emergência do conceito de verdade e a sanção da atrocidade na democracia. O capítulo dois é uma extensa crítica da leitura que fez Jacques Derrida de Walter Benjamin, questionando tanto a associação de Benjamin a Heidegger, constante em Derrida, como sua redução da crítica benjaminiana da violência à onda anti-parlamentar da República de Weimar. Os dois capítulos seguintes tratam de fenômenos da música popular das últimas décadas: Sepultura e o movimento heavy metal, que clausuram, para a juventude mineira, o potencial oposicionista e emancipatório da MPB, e Chico Science e a cena manguebeat pernambucana, que criam canais de diálogo entre gêneros “regionais” não legitimados no cânone nacional e gêneros internacionais não sancionados no panteão pop rock. O capítulo cinco toma como mote o breve conto “O Etnógrafo”, de Borges, para pensar as relações entre a ética e a violência constitutiva da empreitada antropológica na era pós-colonial. O capítulo seis é uma introdução à literatura oitocentista da Colômbia, o único país latino-americano não unificado no século XIX. Através de uma análise dos romances fundadores de cada de uma de suas regiões (a Antioquia, o Vale do Cauca, a Costa Caribe e os Andes), o capítulo oferece uma reflexão sobre o romance em épocas pré-estatais marcadas pela guerra civil. O epílogo oferece uma crítica do discurso dos direitos humanos na era da guerra sem fim.

Veja também:  Eduardo Bolsonaro pede apoio na Fiesp para assumir embaixada: "Os senhores não são malvadões"


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum