Escrita por Fernando Morais, biografia de Lula entra na pré-venda

A obra será dividida em dois volumes e o relato da vida do ex-presidente será intercalado com momentos do passado e do presente

A editora Companhia das Letras colocou em pré-venda a aguardada biografia do ex-presidente Lula, que foi escrita pelo biógrafo e jornalista Fernando Morais, que é autor de outras biografias que já se tornaram clássicos, como “Chatô, o rei do Brasil” e “Olga”.

A obra será dividida em dois volumes, sendo que o primeiro tem 416 páginas e será lançado oficialmente no dia 16 de novembro.

Dez anos de trabalho

O escritor Fernando Morais acompanha o presidente o ex-presidente desde 2011, quando teve “acesso direto, franco e frequente a Lula”.

“A essas dezenas de horas de depoimentos, somou o fato de o repórter e a prosa cativante para compor o projeto biográfico que traz um painel do personagem em toda a sua grandeza e complexidade”, informa o material de divulgação da Cia das Letras.

Morais optou por uma narrativa que faz uso de recuos e avanços cronológicos para dar um “ritmo eletrizante”.

O volume da biografia de Lula passa pela infância, os anulamentos de suas condenações, em 2019, pelas graves do ABC, a fundação do PT e a primeira campanha eleitoral”.

Foto: divulgação Cia das Letras
Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR