Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
20 de dezembro de 2016, 17h06

Macartismo sai do sarcófago para assombrar a UFABC

Uma denúncia anônima acusou uma professora de filosofia de estar “aparelhando” a universidade com ideais “de esquerda”.

Por Igor Fuser, em seu Facebook

Na contramão de todas as evidências, ainda existe muita gente que, honestamente, considera um exagero denunciar a existência de uma escalada autoritária ou fascista no Brasil do pós-golpe.

A nota aqui reproduzida é apenas um exemplo – um, entre centenas de casos, muitos deles bem mais graves – do ambiente repressivo que, pouco a pouco, sorrateiramente, vai se instalando em todas as esferas da vida brasileira.

Trata-se da manifestação da corregedoria da Universidade Federal do ABC, com data de 31/10/2016, rejeitando (felizmente!) uma delação anônima contra uma professora do curso de Filosofia, denunciada por ministrar um curso intitulado “Pensamento marxista e seus desdobramentos contemporâneos”.

É inacreditável! Se Karl Marx é considerado, por absoluto consenso entre os estudiosos desse campo do conhecimento, um dos filósofos mais importantes de todos os tempos, como é que alguém pode se formar em Filosofia sem conhecer o marxismo?

A denúncia contra essa docente, acusada de ter ideias de esquerda (como se isso fosse uma “acusação” a ser levada a sério!), traz à lembrança os tempos sombrios da “caça às bruxas” nos Estados Unidos do macartismo – o fascismo à moda gringa, que entrou para a história como símbolo da intolerância, do preconceito e da (pura e simples) burrice.

O macartismo (em inglês, McCarthysm) foi uma patologia política típica da Guerra Fria. Seu auge ocorreu no período de 1950 a 1957. De acordo com a wikipedia, esse “é um termo que se refere à prática de acusar alguém de subversão ou traição sem respeito pelas evidências”. Origina-se da campanha anticomunista promovida pelo senador Joseph McCarthy, do Partido Republicano, quando milhares de cidadãos dos EUA foram acusados, sem mais nem menos, de serem comunistas ou até mesmo espiões a serviço da União Soviética.

Por conta do macartismo, muitas pessoas, conforme relata o Wikipedia, perderam seus empregos ou tiveram suas carreiras destruídas, e muitas foram presas. A maioria das punições foram baseadas em julgamentos que, mais tarde, foram anulados – como certamente serão anuladas, no futuro, todas ou quase todas as sentenças arbitrárias do “juiz” Sérgio Moro na Operação Lava-Jato.

O senador McCarthy e seus capitães-do-mato, assim como o verdadeiro circo que caracterizava as audiências da “caça às bruxas”, se tornaram objeto de um ridículo que se reproduz pelas gerações. Mas o sofrimento das vítimas do macartismo foi concreto, assim como os efeitos nefastos para a prática da democracia.

Não podemos deixar que, seis décadas depois, essa página infeliz da história da humanidade se repita aqui no Brasil.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum