Maia pede nota técnica ao MPF para decidir sobre quilombolas de Alcântara (MA)

Durante o encontro, Maia informou que vai aguardar a manifestação do MPF para decidir sobre a matéria e se comprometeu a paralisar a tramitação do acordo na Casa até que isso aconteça

Durante reunião nesta quara-feira (25) com representantes das comunidades quilombolas, Ministério Público Federal e parlamentares, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), solicitou que o Ministério Público Federal (MPF) produza uma nota técnica sobre a Convenção 169 da OIT, (Organização Internacional do Trabalho) para garantir que os quilombolas sejam consultados antes da apreciação pelo Congresso do Acordo de Salvaguardas Tecnológicas (AST) entre o Brasil e os Estados Unidos para a exploração comercial do Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão.

Os parlamentares Áurea Carolina (PSOL-MG), Talíria Petrone (PSOL-RJ), David Miranda (PSOL-RJ) e Bira do Pindaré (PSB-MA) solicitaram a reunião ao presidente da Casa para reforçar a normativa da ONU para que a consulta seja realizada junto às comunidades antes de qualquer decisão legislativa ou administrativa com potencial de impactar a sobrevivência dessas pessoas e a relação com o território ancestral.

Em setembro, conforme noticiado pelo blog, deputados aprovaram a urgência do acordo para uso comercial de Alcântara, que aguarda ainda votação final pelo plenário.

Durante o encontro, Maia informou que vai aguardar a manifestação do MPF para decidir sobre a matéria e se comprometeu a paralisar a tramitação do acordo na Casa até que isso aconteça.

“Ganhamos mais tempo para agir e garantir esse direito aos quilombolas do Maranhão. Não vamos permitir que a política entreguista do governo Bolsonaro viole determinações internacionais de proteção aos modos de vida dessas comunidades”, considerou Áurea Carolina.

Participaram da reunião Mário Bonsaglia, Subprocurador-geral da República Danilo Serejo, do Movimento dos Atingidos pela Base de Alcântara; Davi Pereira, quilombola de Alcântara; Melisandra Trentim, da Justiça Global e Sandra Braga, da CONAQ (Coordenação Nacional das Comunidades Quilombolas) e da Coalizão Negra por Direitos.

Avatar de George Marques

George Marques

Jornalista e Relações Públicas pela Faculdade JK de Brasília. É também especialista em comunicação pública e comunicação política no legislativo, tendo já sido indicado ao Prêmio Comunique-se de Jornalismo Político. Já trabalhou na cobertura de política para o site The Intercept Brasil e Metrópoles. É colunista da Fórum.

Em 2021, escolha a Fórum.

Fazer jornalismo comprometido com os direitos humanos e uma perspectiva de justiça social exige apoio dos leitores. Porque se depender do mercado e da publicidade oficial de governos liberais esses projetos serão eliminados. Eles têm lado e sabem muito bem quem devem apoiar.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR