Ao tomar posse em SP, Rodrigo Maia afirma que Doria é o nome da terceira via

O deputado assumiu nesta sexta a Secretaria de Projetos e Ações Estratégicas, que será responsável pelas privatizações em São Paulo

O ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia tomou posse nesta sexta-feira (20) no cargo de Secretário de Projetos e Ações Estratégicas de São Paulo.

Durante o seu discurso, Maia afirmou que é “natural” que o PSDB tenha um candidato à presidência da República e declarou apoio a João Doria.

“Não teremos cinco caminhos. Teremos um caminho. Está na hora de fortalecer um projeto no nosso campo. Minha sinalização está clara”, declarou Maia.

O político fluminense afirmou que, além de Doria, outro nome que pode chegar ao segundo turno como a terceira via é o pré-candidato do PDT, Ciro Gomes.

“Fora isso corremos o risco de deixar Bolsonaro chegar ao 2ºª turno”, criticou.

Questionado se comporia a chapa tucana como vice de Doria, Maia negou e afirmou que será candidato a deputado federal.

Marcaram presença na posse o presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo, o secretário da Fazenda e Planejamento, Henrique Meirelles (PSD), e o vice-governador Rodrigo Garcia (PSDB), que também discursou.

“Já estamos ganhando esse jogo. Com Rodrigo Maia vamos ganhar de goleada”, afirmou Garcia.

Publicidade
Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR