sexta-feira, 18 set 2020
Publicidade

Manifestantes anti-Lula impedem chegada do ex-presidente em Passo Fundo

Por Luís Eduardo Gomes, no Sul 21

O quinto dia da caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo Rio Grande do Sul foi marcado pela primeira vitória dos manifestantes contrário à presença de Lula no Estado. Depois de horas de tentativas sem sucesso de liberação do tráfego no trevo de acesso à cidade de Passo Fundo, os organizadores da caravana decidiram desistir do evento marcado para a cidade e partir para a próxima parada, em São Leopoldo.

A Caravana pelo Sul começou o dia em Sarandi, onde a comitiva passou a noite. De lá, partiram para o primeiro ato desta sexta-feira (23), marcado para as 9h30 no município de Ronda Alta. Ali, Lula, Dilma Rousseff, Olívio Dutra, Miguel Rossetto e o restante da comitiva foram recebidos por centenas de agricultores familiares e trabalhadores locais na propriedade da família Pasquetti, em um ato que tratou da situação dos pequenos e médios agricultores da região noroeste do Estado.

Leia também
Bancada do PT repudia agressões sofridas por mulheres durante a caravana de Lula no RS
Caravana de Lula é atacada no RS; militante é hospitalizada após receber soco no olho e chutes

Após tomar café com a família anfitriã, a caravana partiu para uma parada rápida em Pontão, onde foi realizado um pequeno ato com assentados do movimento sem terra da região, um dos berços da reforma agrária no Estado – a cidade tem suas origens na fazenda Annoni, ocupada pelo MST em 1985. O encontro acabou por volta das 12h30 e a caravana deveria seguir para Passo Fundo, onde estava marcado um novo ato às 13h, na região central da cidade. Contudo, desde a manhã, uma manifestação organizada por sindicatos rurais da região bloqueava o trevo de acesso à cidade. Segundo informações da rádio Uirapuru, entre 800 e mil pessoas se encontravam no local. A Brigada Militar foi mobilizada, mas não liberou a via. Agricultores organizaram bloqueios em diversos pontos da rodovia queimando pneus. Segundo a organização da caravana, os manifestantes estavam armados com pedras preparadas para atirar nos ônibus, assim como ocorreu na passagem por São Borja e Santa Maria.

Por mais de quatro horas, os ônibus permaneceram em Pontão, no local do ato com o MST, esperando que a BM liberasse o acesso a Passo Fundo, o que não ocorreu. Por questões de segurança, decidiu-se então que o ex-presidente Lula e uma parte dos membros da caravana seguiriam de carro até Chapecó, onde pegariam avião para Porto Alegre e de lá se dirigiriam para São Leopoldo, onde se encerra a caravana no RS.

Também segundo a Rádio Uirapuru, após a confirmação de que a caravana não seguiria para Passo Fundo, os manifestantes anti-Lula organizaram uma carreata pelas ruas centrais de Passo Fundo em comemoração. Nesse mesmo momento, apoiadores do ex-presidente, que chegaram a somar cerca de 800 pessoas no centro da cidade, se desmobilizaram.

Ronda Alta

Há 30 anos Vilson Pasquetti tem uma pequena propriedade no município de Ronda Alta, onde mora e trabalha junto com outros quatro membros de sua família. Ali, eles produziam soja, milho e outros grãos. Era uma vida simples e boa, mas sentia a necessidade de “girar mais dinheiro”. Queriam entrar no ramo leiteiro. “Então eu acessei o programa Mais Alimentos, que tinha juro de 2% o ano e podia pagar em 10 anos. Adquiri assim o gado leiteiro, caminhonete, trator. Fomos adquirindo e crescendo a propriedade”, conta.

Na manhã desta sexta-feira (23), a propriedade da família Pasquetti recebeu a visita dos ex-presidentes Lula e Dilma, e da comitiva que acompanha a caravana pelo sul do País, e serviu a eles um café colonial com os produtos da agricultura familiar. “A gente nem acreditou, mas é uma alegria para a família Pasquetti receber a visita dos presidentes. Isso é uma coisa inédita”, disse.

Além da comitiva, também recebeu centenas de pequenos e médios agricultores e trabalhadores de Ronda Alta que foram ao local para ver o ex-presidente. Rui Valença, coordenador-geral da Fetraf, entidade que representa trabalhadores da agricultura familiar, lembrou que Lula esteve em Ronda Alta há 17 anos, quando fez, em 2001, uma caravana pelo Rio Grande do Sul e Santa Catarina para visitar justamente o trabalho da agricultura familiar.

“Dezessete anos depois, muita coisa mudou”, disse. “Mudou a paisagem, mudou a vida. Os filhos dos agricultores tiveram o direito de ir para a universidade, pelo ProUni e nas federais, inclusive os meus”, complementou Valença, que entregou ao ex-presidente um documento com sugestões da categoria para o plano de governo do PT, incluindo políticas que permitam a pequenos e médios competir em melhores condições com os grandes agricultores e com o mercado. “Não dá para largar um tubarão junto com um lambari na piscina. O que nós queremos é condições para produzir alimentos, políticas públicas, não destruir as políticas como esse governo golpista têm feito”.

Continue lendo no Sul 21

Redação
Redação
Direto da Redação da Revista Fórum.