Mantega: dívida pública não foi obstáculo para o crescimento do país

O ministro explicou que o importante é a qualidade da dívida e não o seu montante.

Publicidade

O ministro explicou que o importante é a qualidade da dívida e não o seu montante.

Por Daniel Lima 

A dívida pública não foi obstáculo para o crescimento do Brasil e atualmente deixou de ser um problema. A afirmação foi feita pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, ao participar na Câmara de reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito da Dívida Pública da União, de estados e municípios e o benefício gerado por esses pagamentos.

Em sua exposição, Mantega lembrou que a dívida pública brasileira começou a ter grande impacto a partida década de 70 do século passado, com a crise do petróleo e com as medidas do então secretário norte-americano Paul Volcker para salvar o dólar, em forte desvalorização. Segundo ele, essas medidas tiveram reflexos em vários países.

Mantega lembrou que na década de 80 o Brasil teve dificuldade de crédito e precisou recorrer a uma moratória. Na década de 90, com o real e o câmbio fixo, a dívida chegou a 30% do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de bens e serviços produzidos no país – e, a partir de 2003, passou a cair fortemente até chegar a um valor líquido negativo a partir de 2007.

O ministro explicou que o importante é a qualidade da dívida e não o seu montante. Ele citou a atual situação da Grécia, com sua economia totalmente comprometida com o pagamento da dívida, segundo ele, “sob os ditames dos credores”.

Mantega participa da CPI junto com o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles.

Com informações da Agência Brasil.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR