Tico Santa Cruz e Mandetta serão os destaques nos carros de som da manifestação do MBL

O movimento, que liderou os atos golpistas contra a presidenta Dilma Rousseff, quer unir todos os campos da política e pressionar pelo impeachment de Bolsonaro

O Movimento Brasil Livre (MBL) confirmou em suas redes que o ex-ministro da Saúde Henrique Mandetta e o cantor Tico Santa Cruz vão participar do ato organizado pelo grupo que acontece no próximo domingo (12), na Avenida Paulista, em São Paulo. Tanto Mandetta quanto Santa Cruz devem discursar no carro de som do MBL.

A principal pauta da manifestação será o impeachment do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Em comunicado, o MBL afirma que o “governo Bolsonaro é um crime e uma vergonha”.

“Pelas mentiras e estelionatos eleitorais. Pela aliança com os corruptos. Pelas rachadinhas e pela propina na vacina. Pelas 520 mil vidas perdidas. O governo Bolsonaro é um crime e uma vergonha para o nosso país. E está na hora de derrubá-lo”, diz a convocatória do grupo.

O músico Tico Santa Cruz confirmou a sua participação no ato e afirmou que neste momento é preciso unir as diferenças por uma pauta maior, no caso, a derrubada de Bolsonaro. Em suas redes, ele convidou a União Nacional dos Estudantes a participar da manifestação.

Por sua vez, o ex-ministro da Saúde do governo Bolsonaro, Henrique Mandetta, desmobilizou as pessoas irem às ruas no 7 de setembro e as convocou, indiretamente, para participarem no ato organizado pelo MBL.

“Neste 7 de setembro, fique em casa. Tudo que Bolsonaro quer é que alguém saia ferido, para justificar uma escalada autoritária. Se você quer protestar contra Bolsonaro, como eu vou, vá às ruas em outra data. Não seja instrumento de políticos que semeiam o caos. Você merece mais”, disse Mandetta.

Outro nome que foi confirmado pelo MBL é o do deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP), mas, até o fechamento desta matéria não obtivemos confirmação da assessoria da parlamentar.

Ciro Gomes e Mandetta juntos em chapa presidencial?

O pré-candidato à presidência da República Ciro Gomes (PDT-CE) fez uma live ao lado do ex-ministro da Saúde do governo Bolsonaro, Henrique Mandetta (DEM-MS), após os atos de 7 de Setembro e acenaram com a possibilidade de estarem juntos nas eleições presidenciais de 2022.

Ciro apresentou Mandetta como seu adversário: “Provavelmente vamos disputar as eleições no próximo ano”.
“Quanto a você dizer que nós seremos adversários, isso não está claro ainda. Vai que estamos juntos? Isso daí tem muita gente que torce”, disse o ex-ministro. Ciro respondeu: “Olha, eu acendo uma vela todo dia, mas eu tenho que respeitar porque você tem um grande partido. Você tem uma liderança importante que aprendi a admirar”.

Logo após os afagos, os dois conversaram sobre as manifestações do 7 de Setembro pelo país. “Hoje, da maneira como isso foi convocado, nós ficamos muito mais pertos da morte do que da Independência”, afirmou Mandetta.

Ciro, por sua vez, disse que “depois das manifestações de hoje, nós podemos dormir sossegado. O Brasil amanhece trabalhando amanhã. Amanhã funciona o Congresso, funciona o STF e nós vamos ao nosso trabalho. Frustrou a tentativa de golpe do Bolsonaro”, concluiu.

Publicidade

Notícias relacionadas

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR