Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
08 de fevereiro de 2012, 19h13

Médicos confirmam necessidade de aborto na menina de Pernambuco

Ginecologistas e obstetras, por meio de nota da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO), manifestaram amplo apoio à equipe médica que fez o aborto da menina de nove anos, vítima de abuso sexual pelo padrasto, em Pernambuco. Falando com conhecimento de causa, os profissionais médicos disseram que a menina, “de compleição física frágil, pesando pouco mais de 30 quilos”, não suportaria a gravidez até o fim, o que representaria risco de morte para a garota.

Na nota, os médicos também condenam as declarações de membros da Igreja Católica que, segundo eles, “demonstram insensibilidade e falta de respeito com o drama vivido pela criança de nove anos e por seus familiares, bem como para com toda a sociedade e com o Estado brasileiro.”

Os médicos apontam como razões para a antecipação do parto as questões de saúde da criança e as garantias previstas em lei. Quando a gravidez é resultado de estupro, assim como em casos que oferecem risco de morte materna, não é necessária nem mesmo autorização judicial para o aborto. O caso da menina em Pernambuco, contempla ambas as situações. “Não podia seguir outro curso que não o de antecipar o fim do sofrimento desta cidadã e evitar, o quanto antes, uma tragédia ainda maior”, explicam os médicos.

A entidade médica ainda descreve o caso clínico da menina, enumerando os riscos que ela corria com uma gestação gemelar (de gêmeos). “As chances de uma ruptura uterina, hemorragia, eclâmpsia e de um parto prematuro eram enormes. Sem contar todos estes e outros riscos à sua integridade física, havia as inimagináveis sequelas emocionais.”

Para a FEBRASGO, a equipe médica e multiprofissional do Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (CISAM) agiu dentro dos preceitos ético-legais e tecnicamente adequados. “É nosso dever respeitar os princípios bioéticos e a legislação vigente, garantindo à população direitos humanos e dignidade, independentemente de raça, credo ou religião”, conclui.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags