Emmy: Michaela Coel se torna a primeira mulher negra a ser premiada como roteirista

A artista, que também é atriz, recebeu o prêmio pela série "I may destroy you", baseada em uma experiência de abuso sexual que vivenciou

Aconteceu na noite deste domingo (19) a 73ª do Emmy, premiação que é considerada o Oscar da TV estadunidense. E a edição desse ano teve um momento histórico, quando entregou o prêmio de melhor roteiro para Minissérie ou filme para TV para Michaela Coel.

A roteirista, que também é atriz, recebeu o prêmio pela minissérie “I may destroy you”, que é baseada em uma experiência de abuso sexual vivenciada por Coel, e se tornou a primeira mulher negra na história do Emmy a ser premiada na categoria de roteiro.

“Escreva a história que te dá medo, que te dá incertezas, que não é confortável. Eu te desafio. Não tenha medo de desaparecer por um tempo e ver o que vem até você no silêncio. Dedico essa história a sobreviventes de abuso sexual”, declarou Michaela Coel ao receber o prêmio.

A série “I may destroy you”, além do abuso sexual, também discute temas como racismo, LGBTfobia e a questão do consentimento. A produção foi escrita e protagonizada por Michaela Coel e está disponível na HBO Max.

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR