Miséria pandêmica: bilionários ganharam U$ 3,7 tri apenas em 2020

A riqueza média dos 10% mais ricos da América Latina é 630 vezes superior a dos 50% mais pobres

Quando surgiu a pandemia e com ela todos os seus novos protocolos de vida, parcelas da sociedade chegaram a acreditar que tal catástrofe tornaria a sociedade melhor. Isso não aconteceu, e pior: a crise sanitária aumentou o fosso entre os mais ricos e os mais pobres.

O relatório “Desigualdade Mundial”, que tem como um de seus coordenadores o economista francês Thomas Pikkety, revela que a pandemia serviu para intensificar a concentração de riqueza: a riqueza dos bilionários cresceu US$ 3,7 trilhões durante o ano de 2020.

O montante ganho pelo grupo que congrega um grupo minoritário de 520 mil bilionários é próximo do que foi gasto, em termos globais, com saúde no mesmo período em que ficaram mais ricos: US$ 4 bilhões.

Processo endêmico

“O que aconteceu durante a crise da Covid-19 é a exacerbação desse padrão que observamos desde o início dos anos 90. Há variações entre as regiões do mundo. Mas a parte mais pobre, um lado significativo da população em cada região, sistematicamente tem menos de 5% da riqueza”, analisa Lucas Chanel, principal autor do relatório e coeditor do laboratório.

Segundo o estudo desenvolvido pelo laboratório “Desigualdade Mundial” – o nome do estudo leva o mesmo nome do grupo de pesquisadores -, desde 1995, o 1% mais rico capturou 38% da riqueza global produzida no período, enquanto o 50% mais pobres ficaram apenas com 2% desse montante.

O pequeno grupo de bilionários detém 11% da riqueza global.

América Latina: 10% detêm 77% da riqueza

Como explicado por Chanel, a concentração de riqueza se dá de maneira variada de uma região para outra.

Na América Latina, os 10% mais ricos detém 77% da riqueza total das famílias, o que é superior ao 1% capturado pelos 50% da base.

Além disso, a riqueza média dos 10% mais ricos da América Latina é 630 vezes superior a dos 50% mais pobres.

Publicidade

Caso esse cenário não seja alterado, os autores da pesquisa projetam que, no ano de 2070 o 0,1% mais rico irá capturar mais de um quarto da riqueza global e, ao término do século, essa parcela será maior do que os 40%.

Concentração de renda

Quando se analisa a concentração de renda, o cenário também é dantesco: os 10% mais ricos possuem cerca de 52% da renda global.

Publicidade

Na outra ponta, os 50% da base da pirâmide correspondem 8% da renda global.

A renda média do 1% mais rico é 144 vezes maior do que a renda média dos 50% mais pobres.

No caso da América Latina, os 50% da base ganham 27 vezes menos do que os 10% do topo.

Especificamente no Brasil, os 50% mais pobres têm renda média 29 vezes menos que os 10% do topo.

Gênero e renda

O cenário também revela que a desigualdade socioeconômica por gênero continua.

De acordo com o estudo, a participação das mulheres na renda do trabalho global pouco avançou a partir da década de 1990, quando esse percentual se aproximava de 30%, atualmente é menos de 35%.

“Um mundo desigual e com sociedade mais desiguais tem mais dificuldades para enfrentar situações como a crise da Covid-19. Há vários benefícios para se mover para uma sociedade mais igual e um deles é estar em um melhor posição para enfrentar os desafios do século XXI”, diz Chancel.

Notícias relacionadas

Com informações d’O Globo

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).