Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
22 de julho de 2013, 12h13

Monsanto desiste de cultivar novos transgênicos na Europa

Medida foi motivada pela demora na resposta na UE; empresa, no entanto,continuará a comercializar no continente

Medida foi motivada pela demora na resposta na UE; empresa, no entanto,continuará a comercializar no continente

Do Opera Mundi 

Manifestantes protestam contra transgênicos na Espanha. Monsanto é um alvo constante de críticas dos ativistas (Foto: Ernest Morales / Flickr)

A Monsanto anunciou nesta sexta-feira, 19, que desistiu dos pedidos de autorização que tinha feito à União Europeia para plantar sementes com material geneticamente modificado. Segundo informações da imprensa europeia, a justificativa oficial da empresa norte-americana é que “a plantação de novos transgênicos na Europa não tem interesse comercial”.

O acordo, no entanto, não impede que os transgênicos da Monsanto continuem a ser comercializados na Europa. No total, eram cinco pedidos para o cultivo de milho geneticamente modificado, um para soja e outro para beterraba.

O presidente e diretor-geral da Monsanto na Europa, Jose Manuel Madero, explicou à Reuters que é vontade da empresa pedir autorização para importar para a UE as espécies transgênicas que já planta nos EUA e na América Latina. Para investir na nova estratégia, a companhia desistiu da anterior, que pretendia cultivar alguns desses produtos na Europa.

Em maio, a Hungria decidiu eliminar todas as plantações feitas com sementes transgênicas da Monsanto. Na ocasião, foram queimados cerca de 500 hectares das lavouras de milho – equivalente a cinco milhões de metros quadrados. A intenção da queimada era que o país não tivesse nenhum fruto com origem de material geneticamente modificado.

Segundo o jornal Público, a frustração com o processo de aprovação é apontado como a causa para a desistência da empresa – que deseja expandir o seu mercado por todo o mundo. No documentário Le monde selon Monsanto (“O mundo segundo Monsanto”, numa tradução livre), de 2008, Marie-Monique Robin denuncia os contratos com que a multinacional tolhe a acção dos agricultores, assim como as consequências nefastas que a plantação das sementes geneticamente modificadas está a ter nos solos das Américas, de África e da Índia.

No ano passado, a alemã BASF, autorizada a cultivar um tipo de batata geneticamente modificada nos solos da UE, decidiu transladar todas as operações relacionadas com transgênicos da Europa para o outro lado do Atlântico. São já duas vitórias do género para os ambientalistas. O que não impede que a UE continue a ser um dos maiores importadores de transgênicos do mundo.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum