terça-feira, 27 out 2020
Publicidade

Moro e Dallagnol acordaram vazamento de áudios de Lula e Dilma

O ex-juiz federal Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol se consultaram sobre a estratégia a ser adotada com os áudios entre Lula e Dilma Rousseff, que seriam divulgados no dia em que Dilma tentaria nomear o ex-presidente como ministro da Casa Civil. Dallagnol contatou Moro para saber se o ex-juiz manteria a divulgação dos áudios mesmo com a nomeação e disse que o MPF apoiava. A revelação está na série de reportagens do The Intercept Brasil que traz áudios e transcrições de conversas secretas entre Moro e procuradores da Lava Jato.

Na manhã do dia 16 de março, dia em que Dilma nomearia Lula para seu gabinete, Dallagnol enviou mensagem para Moro confirmando que o vazamento dos áudios entre os dois iria realmente ocorrer. “A decisão de abrir está mantida mesmo com a nomeação, confirma?”, disse. Moro, prontamente perguntou “a posicao do MPF”, respondida horas depois pelo procurador: “abrir”.

Os áudios repercutiram muito mal no meio juridico e causou desconforto nos dois, explicitado na conversa. “A liberação dos grampos foi um ato de defesa. Analisar coisas com hindsight privilege (benefício de perspectiva) é fácil, mas ainda assim não entendo que tivéssemos outra opção, sob pena de abrir margem para ataques que estavam sendo tentados de todo jeito”, disse Dallagnol.

Sem remorso, Moro respondeu: “Não me arrependo do levantamento do sigilo. Era a melhor decisão. Mas a reação está ruim”.

Redação
Redação
Direto da Redação da Revista Fórum.