Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
06 de julho de 2013, 14h57

Movimentos sociais campesinos cobram mais agilidade do governo em relação à reforma agrária

Onze entidades se reuniram nesta sexta-feira, 5, com a presidenta Dilma Rousseff

Onze entidades se reuniram nesta sexta-feira, 5, com a presidenta Dilma Rousseff

Da Redação

(Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr)

Nesta sexta-feira, 5, movimentos sociais do campo reuniram-se com a presidenta Dilma Rousseff. As entidades cobraram mais agilidade e menos burocracia por parte do governo federal para resolver questões como a reforma agrária e a melhoria dos serviços públicos. Entre as 11 organizações representadas no encontro, estavam o MST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra), Contag (Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura) e o MAB (Movimento dos Atingidos por Barragens).

“Elencamos alguns elementos e trouxemos para a presidenta Dilma. É preciso e urgente que o governo se desburocratize e possa fazer mais pelo povo brasileiro. Os pontos centrais discutidos foram a reforma agrária, a saúde e a educação”, afirmou Alexandre Conceição, da diretoria nacional do MST e porta voz do encontro. “Só diálogo não basta, tem que ter política”, enfatizou.

Os movimentos sociais do campo vão participar  das manifestações convocadas pelas centrais sindicais para o dia 11 deste mês, o “Dia Nacional de Luta com Greves e Mobilização”. O ato reivindica o fim do fator previdenciário; jornada de 40 horas sem redução de salários; reajuste para aposentados; mais investimentos em saúde, educação e segurança; transporte público de qualidade; fim do PL 4330,que amplia a terceirização no mercado de trabalho; e o fim dos leilões de petróleo.

Além desta pauta de reivindicações, segundo Conceição, as entidades vão defender a realização de um plebiscito sobre a reforma política. Além de pontos de consulta como o financiamento público de campanhas, defendido pelo governo, os movimentos do campo defendem a inclusão de temas mais amplos sobre a participação popular direta.

“Vamos fazer um debate sobre o plebiscito, em que as questões não sejam apenas de cunho eleitoral, têm que ser de participação política, porque não nos sentimos mais representados por este Congresso, que é financiado pelo grande capital”, disse. “Sempre defendemos o plebiscito, porque sempre defendemos a participação do povo naquilo que vai afetar a vida do povo diretamente”, comentou o membro da diretoria nacional do MST.

Também estiveram presentes na reunião com a presidenta Dilma representantes do MPA (Movimento dos Pequenos Agricultores), do MMC (Movimento Mulheres Camponesas), da Fetraf (Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar), da ANA (Articulação Nacional de Agroecologia), da Abra (Associação Brasileira de Reforma Agrária), da ASA (Articulação no Semiárido Brasileiro), da Pastoral da Juventude Rural e do Movimento Camponês Popular.

Na próxima semana, a presidenta possui reuniões agendadas com indígenas, lideranças evangélicas, organizações de mulheres e do movimento negro.

Com informações da Agência Brasil. 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum