Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
02 de fevereiro de 2012, 09h48

Mulheres negras reivindicam atendimento público de saúde digno e igualitário

Foto: Marcello Casal JR/ABr

Viabilizar o acesso da população feminina negra do Distrito Federal a um atendimento público de saúde digno e igualitário é uma das atuais reivindicações do Fórum de Mulheres Negras do DF.

Hoje, 26, no Dia de Mobilização Nacional Pró-Saúde da População Negra, representantes do Fórum se reuniram no Centro Feminista de Estudos e Assessoria (CFemea) para discutir a implementação na região da Política Nacional de Saúde da População Negra, aprovada em 2006 pelo Conselho Nacional de Saúde.

A política prevê ações voltadas para a promoção da saúde integral das negras e para o combate ao racismo institucional nas unidades de saúde de todo o país.

No entanto, muitos são os estados que ainda não adotaram a medida e não colocaram em prática essas ações. O Distrito Federal, onde mais de 40% das mulheres são negras, é um deles.

"A gente vem cobrar uma maior atenção do GDF [Governo do Distrito Federal] e do Estado. As especificidades da população negra merecem um olhar mais atento, essa população é maltratada quando vai a um serviço de saúde. A gente tem um racismo institucionalizado, que é grave", considera Sabrina Faria, integrante do Fórum de Mulheres Negras do DF.

De acordo com dados do Fórum, a população negra no Brasil é mais vulnerável em relação a doenças do trabalho, Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), mortes violentas, transtornos mentais e doenças de evolução, como hipertensão arterial, diabetes e insuficiência renal.

"Nós, mulheres negras, precisamos de tratamento digno. É preciso colocar como prioridade essa atenção voltada para a saúde da mulher negra", defende a coordenadora nacional do Fórum, Jacira da Silva.

Um dos primeiros passos para a implementação da política no Distrito Federal, segundo sugere Jacinta, é a identificação da quantidade de mulheres negras que precisam de atendimento médico.

"A questão de saúde é questão de direitos humanos. Essa omissão do Estado e do DF, principalmente nessas políticas públicas, significa a falta de compromisso com essa população expressiva", afirma.

(Com informações da Agência Brasil)


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags