Novo protocolo do Ministério da Saúde vai contraindicar uso da cloroquina e ivermectina

Grupo técnico criado pelo ministro Marcelo Queiroga prepara novas diretrizes para o tratamento da Covid-19 baseados em estudos técnicos e científicos

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, encomendou um novo protocolo para tratamento farmacológico a um núcleo técnico-científico criado por ele quando assumiu o cargo que não irá indicar o uso da cloroquina, hidroxicloroquina, ivermectina, redemsivir e outras medicações sem eficácia comprovada no tratamento contra a Covid-19.

O novo protocolo não vai tratar da utilização desses medicamentos fora do ambiente hospitalar, até porque o escopo do grupo técnico é o tratamento da Covid-19 em paciente que dão entrada no hospital até o pós-Covid.

No lugar das medicações que são rechaçadas pela maioria da classe médica, o grupo encabeçado pelo médico e professor da USP, Carlos Roberto de Carvalho, indicará o uso de anticoagulantes e corticoides para tratar a doença causada pelo coronavírus.

A produção de tais protocolos têm sido elaborada a partir da colaboração com sociedade médicas, agregando orientações já sugeridas. Dois desses novos protocolos já foram entregues ao ministro Queiroga: um sobre o uso racional do oxigênio e um voltado para a intubação.

Os protocolos são compostos de três partes: um fluxograma, que pode ser visualizado em tela de celular ou ser impresso e pendurado em paredes de hospitais e UTIs; um texto explicativo e um pequeno filme para ilustrar os procedimentos.

Por fim, o coletivo técnico deve elaborar mais protocolos. Um deles deve ser sobre ventilação mecânica, que deve ser entregue até o final desta semana.

Com informações da Folha de S. Paulo.

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).