domingo, 20 set 2020
Publicidade

O cristofascismo é o novo projeto de nação

Nada de erradicar a fome, ou o analfabetismo. Muito menos combater a corrupção. O cristofascismo é o novo projeto de nação inaugurado pela facção da burguesia que assumiu o poder.

Este projeto tem como foco despolitizar a classe operária de modo a retirar o elemento econômico de sua moralidade. Deste modo, a causa dos problemas sociais seriam elementos comportamentais, ideológicos, espirituais etc., jamais a prevalência dos interesses do capital em relação ao trabalho.

A apropriação de um discurso violento por um cristão é fruto de ser ele vítima da violência. As seitas neopentecostais se encontram, em sua maioria, em locais marcados historicamente pela violência. O discurso violento das letras de funk e o discurso violento do fiel têm a mesma origem social.

Pode-se constatar que a violência do bandido não é demonizada neste meio. Há traficantes evangélicos que atuam para ampliar o mercado dos neopentecostais nas favelas, depredando terreiros e expulsando pais de santo. Pedem proteção aos pastores locais, financiam shows gospel com o dinheiro do tráfico e acreditam que um dia, em nome de Deus, sairão do mundo do crime, como mostram as pesquisas de Christina Vital da Cunha sobre o Acari.

Ou seja, para o discurso cristofascista, o problema não é a violência. Não seria muito difícil pensar que estes traficantes sejam, em grande parte, bolsonaristas, a partir desta relação com as seitas neopentecostais que já reconheceram o presidente como um enviado de Deus. Além disso, “fotos do presidente Jair Bolsonaro têm sido utilizadas por traficantes em pinos de cocaína, que são embalagens usadas para a venda pelo tráfico”.[1] “Em Mogi Mirim, embalagens de maconha com a inscrição ‘Bolson Bek’ traziam a foto do presidente Bolsonaro”.[2]

A questão, para esse projeto evangélico reacionário, é inserir o indivíduo no mercado de trabalho de forma submissa, sem consciência de classe para que possa lutar por seus direitos, e temente a Deus, o que o tornaria relativamente obediente por meio de toda ideologia que envolve o ideal cristão de submissão a Deus. O trabalhador deve ser temente a Deus e à burguesia.

Algo semelhante dizia o reverendo Morgan Godwyn para os senhores de escravos da América do Norte, quando estes se recusavam a catequizar os africanos com medo dos cativos aprenderem o inglês no processo, podendo, assim, se unir e lutar contra a ordem escravocrata. “O [cristianismo]”, disse o reverendo, “professa absoluta e total obediência a governantes e superiores, como pode ser extraído de várias passagens das Escrituras”.[3]

Há hermenêuticas libertárias da Bíblia. Podemos começar com o próprio Paulo em Gálatas: “É para a liberdade que Cristo nos libertou”. Mas o que deve prevalecer, neste projeto bolsonarista de nação, é o pseudoprotestantismo moralista que “faz de Deus um ser domesticado, ‘engaiolado’ – simulacro da verdade objetiva”.[4] O ideal protestante de libertar a interpretação das Sagradas Escrituras do monopólio da Igreja, dissipou-se no projeto neopentecostal.

“Bandido bom é bandido morto” esconde na verdade a ideia de que um trabalhador bom é um trabalhador burro. Esse sempre foi o projeto do capital. Ao longo da história mudaram-se as formas de atingir este objetivo.

Desde as origens do capitalismo buscou-se empregar “indivíduos meio idiotas em certas operações simples que constituíam segredos de fabricação”.[5] Marx lembra as palavras de Adam Smith que descreviam a imbecilidade do trabalhador: “Um homem que despende toda a sua vida na execução de algumas operações simples (…) não tem oportunidade de exercitar sua inteligência (…) Geralmente, ele se torna tão estúpido e ignorante quanto se pode tornar uma criatura humana”. “Assim, sua habilidade em seu ofício particular parece adquirida com o sacrifício de suas virtudes intelectuais…”. Adam Smith, pelo menos, defendia uma instrução mínima popular bancada pelo Estado, outros já se perguntavam se o governo deveria realmente empregar parte de sua receita para isso.

O cristianismo foi usado diversas vezes contra as forças produtivas. Legitimou a escravidão, Lutero o usou contra os camponeses, os luteranos defenderam Hitler e os protestantes holandeses apoiaram o apartheid. Hoje nos deparamos com uma nova empreitada das elites para a manipulação do cristianismo para impor seus interesses aos interesses das classes dominadas.

Para fazer vigorar o neoliberalismo e sepultar a economia moral dos pobres, a que luta pela concretização dos direitos garantidos em lei, a burguesia vem se aliando às forças conservadoras e usando das manifestações culturais disseminadas entre os trabalhadores para empobrecê-los politicamente. Esse projeto atualmente usa as seitas neopentecostais formando assim cristofascismo neoliberal.


[1] https://www.google.com/amp/s/noticias.uol.com.br/colunas/rogerio-gentile/2020/07/21/trafico-usa-foto-de-bolsonaro-para-indicar-droga-de-melhor-qualidade.amp.htm

[2] https://www.google.com/amp/s/odia.ig.com.br/amp/brasil/2020/07/5955605–bolso-beks—foto-de-bolsonaro-e-usada-pelo-trafico-para-indicar-drogas-com-mais-qualidade.html

[3] MARQUESE, R. Feitores do corpo, missionários da mente: senhores, letrados e o controle dos escravos nas Américas, 1660-1860. São Paulo: Cia das Letras, 2002, p. 45.

[4] CAVALCANTE, R. Teologia protestante (brasileira). In: LEONEL, J. (org.) Novas perspectivas sobre o protestantismo brasileiro. São Paulo: Paulinas, 2010, p. 74.

[5] MARX, K. O Capital. Livro 1 vol 1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998. p. 417.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum

Raphael Silva Fagundes
Raphael Silva Fagundes
Doutor em História Política na UERJ. Professor da rede municipal do Rio de Janeiro e de Itaguaí.