Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
18 de outubro de 2012, 11h28

O Mundo Amanhã: Marzouki, um rebelde na presidência

Na entrevista desta semana, Julian Assange conversa através de medialink com o presidente da Tunísia, o ex-exilado Moncef Marzouki

Na entrevista desta semana, Julian Assange conversa através de medialink com o presidente da Tunísia, o ex-exilado Moncef Marzouki

Por Agência Pública

(Divulgação)

A revolução na Tunísia em 2011 marcou o início da Primavera Árabe, inspirando a população de outos países do Oriente Médio que, até hoje, seguem saindo às ruas contra governos autoritários. Após meses de protestos, a revolução tunisiana derrubou o ditador Ben Ali, abrindo espaço para as primeiras eleições democráticas no país em 23 anos.

Mas, passada a euforia, fica o desafio: como conduzir um governo que realmente capaz de mudar a vida da população tunisiana?

“Você ficou surpreso com a falta de poder ao se tornar presidente?”, pergunta ao presidente eleito no país, Moncef Marzouki. “Eu estou descobrindo que o fato de ser chefe de Estado não significa que você tenha todo poder”, responde o líder tunisiano.

Marzouki é médico e opositor de longa data do ditador Zine El-Abidine Ben Ali, o que o levou à prisão várias na década de 1990. Fundou o Comitê Nacional em Defesa dos Prisioneiros de Consciência e foi presidente da Comissão Árabe de Direitos Humanos. Em 2002, exilou-se na França onde, junto com outros tunisianos na mesma situação, fundou o partido político Congresso pela República.

Desde 2001, ele declarara que pressões externas e revoltas armadas não derrubariam Ben Ali, mas sim um movimento popular que empregasse os métodos da resistência civil. Em janeiro de 2011 a Tunísia mostrou que ele estava certo. Depois da queda de Ben Ali, Marzouki voltou do exílio para anunciar sua candidatura e foi eleito presidente interino pela nova Assembleia Constituinte da Tunísia, em outubro de 2011.

A grande pergunta, nas palavras de Assange, é: “Moncef Marzouki, ativista pelos Direitos Humanos, deve agora liderar o Estado que o aprisionou. Poderá ele transformar o Estado?”.

 Assista a entrevista a seguir, ou clique aqui para baixar o texto na íntegra.

A revista Fórum é um dos veículos republicadores da série O Mundo Amanhã.

Leia também:

O Mundo Amanhã: Comunista x Sionista

O Mundo Amanhã: Hezbollah propôs à oposição síria negociar com Assad

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum