Oswaldo Eustaquio é condenado a pagar 15 mil por ofender a mãe de Glenn Greenwald

O juiz afirmou que as postagens apresentavam "uma carga ofensiva ao autor e sua mãe que ultrapassa o objetivo legítimo de criticar"

O blogueiro Oswaldo Eustaquio Filho foi condenado a pagar R$ 15 mil por danos morais a Glenn Greenwald por ter ofendido a mãe dele, Arlene Greenwald, que morreu em dezembro vítima de um câncer no cérebro. A informação é da coluna da Monica Bergamo.

Em agosto de 2019, Eustáquio afirmou que Glenn mentiu sobre o estado de sua mãe para acelerar os vistos americanos para os filhos menores e viajar com eles para os EUA.

Glenn respondeu chamando Eustaquio de “lixo humano” e resolveu processá-lo.

O blogueiro tentou se defender dizendo que analisou postagens de Arlene nas redes sociais e decidiu que ela não estava “em fim de vida” e não se justificava pedir visto para que os netos fossem ver a avó.

Na sentença, o juiz Antonio Carlos Maisonette Pereira afirma que as “postagens publicadas pelo réu [Eustáquio]” apresentavam “uma carga ofensiva ao autor e sua mãe que ultrapassa o objetivo legítimo de criticar”.

Além disso, o blogueiro não se ateve, segundo o magistrado, “ao compromisso ético de checar a veracidade das informações divulgadas, exorbitando da crítica para o campo das insinuações, as quais, no caso, são pejorativas e induvidosamente ofensivas à honra do autor e sua mãe, imputando ao primeiro, ainda, o cometimento de crime”.

Oswaldo Eustáquio, segundo o juiz, “ultrapassou os limites das liberdades constitucionais que lhe são asseguradas, agindo de forma abusiva ao disseminar informações equivocadas sobre o estado de saúde” da mãe de Glenn Greenwald. Cabe recurso da decisão.

Avatar de Clara Averbuck

Clara Averbuck

Escritora e jornalista, autora de 9 livros.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR