Padre que criticou Bolsonaro em sermão ‘se excedeu’, diz Diocese de Limeira

Em nota, bispo pediu desculpas ao presidente e reitera que a Igreja Católica “não se identifica com nenhuma ideologia ou partido político”

A Diocese de Limeira emitiu uma nota nesta segunda-feira (6) após a repercussão de um sermão do padre Edson Adélio Tagliaferro, da Paróquia Nossa Senhora das Dores, em Artur Nogueira, no interior de São Paulo. Responsável pela paróquia, a diocese afirmou que o padre se excedeu em suas palavras e pediu desculpas ao presidente Jair Bolsonaro.

“Uma parte da homilia ganhou repercussão midiática pelo uso de palavras inadequadas em sua referência ao Exmo. Sr. Presidente da República. Pe. Edson Adélio Tagliaferro reconhece que se excedeu em suas palavras e pede desculpas ao Exmo. Sr. Presidente da República e a todos que se sentiram de algum modo atingidos”, diz trecho da nota, assinada pelo bispo Dom José Roberto Fortes

No sermão, o pároco de Artur Nogueira chamou Bolsonaro de bandido e afirmou que os eleitores dele deveriam se confessar. A cerimônia foi transmitida online na última quinta-feira (2) e trechos gravados rapidamente se espalharam nas redes sociais.

A nota afirma ainda que a opinião pessoal do padre “não representa a posição da Diocese de Limeira, que só se manifesta oficialmente na pessoa do seu Bispo Diocesano” e termina reiterando que a Igreja Católica “não se identifica com nenhuma ideologia ou partido político”.

Avatar de Ricardo Ribeiro

Ricardo Ribeiro

Correspondente da Fórum na Europa. Jornalista e pesquisador, é mestre em Jornalismo e Comunicação pela Universidade de Coimbra e doutorando em Política na Universidade de Edinburgh. Trabalhou na Folha de S.Paulo, Agora e UOL, entre 2008 e 2017, como repórter e editor.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR