Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
29 de outubro de 2019, 16h20

País bate recorde de 1 milhão de armas registradas, mas para Mourão “é pouco”

Número aumentou após decretos de Bolsonaro que flexibilizaram a posse e o porte de armas

O general Hamilton Mourão declarou nesta terça-feira (29) que considera os aumentos recentes de posse de armas registradas são insuficientes para a população brasileira. De acordo com dados do exército, a quantidade de armas registradas alcançou a marca de um milhão este ano, após uma série de decretos assinados por Bolsonaro que flexibilizaram as regras para posse de armas. Com a viagem do presidente eleito, Mourão é o presidente em exercício no Brasil.

Segundo o jornal O Globo, Mourão afirmou, em sua saída do gabinete no Palácio do Planalto, que “questão de arma é questão de livre arbítrio das pessoas, desde que elas se enquadrem no que prevê a legislação. Nós temos 220 milhões de habitantes, um milhão de armas tá pouco. Tem que ter mais”. A população brasileira atual estimada pelo IBGE é de 210 milhões de habitantes. O general também comentou sobre a imprecisão dos dados, considerando as armas que estão “nas mãos dos bandidos e não estão contadas”.

Dados da Polícia Federal revelaram que 36.009 novos armamentos foram registrados no Brasil entre janeiro e agosto de 2019. 52% dessas armas foram registradas a partir de junho, após os decretos presidenciais que flexibilizaram a posse no país. Com esse aumento, o Brasil atingiu a marca de 1.013.139 armas registradas, um número recorde. Em dezembro do ano passado, havia 678.309 armamentos. Os registros ativos concedidos pela Polícia Federal aumentaram em 49%, nesse período, não apenas devido a novas armas registradas, como também por causa de registros antigos que foram renovados.

A política do armamento é uma pauta de campanha de Bolsonaro, e uma das principais medidas defendidas por ele. No meio do ano, o presidente assinou uma série de decretos facilitando o registro legal de armas. Uma das principais medidas foi a transmissão da responsabilidade de declarar “efetiva necessidade” sobre a posse para o próprio solicitante. Além disso, o direito à posse foi ampliado para várias categorias.

A flexibilização do direito à posse de armas é bastante criticada por especialistas e, inclusive, pelo Ministério Público Federal (MPF). Os políticos que a defendem normalmente sugerem que essa política levaria a uma diminuição da violência no país, mas em nota técnica divulgada em outubro, o MPF declarou que as medidas tomadas por Bolsonaro intensificaram o “cenário de agressão ao Estatuto do Desarmamento e de enfraquecimento da segurança pública”. Para o Ministério, os decretos também tornaram mais difícil discernir armas que são ou não registradas pela Polícia.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum