Pandemia: Japão declara estado de emergência para Tóquio e cidades vizinhas

Número de infectados e mortos pela Covid-19 já superou a primeira onda da pandemia no país

O primeiro-ministro do Japão, Yoshidide Suga, declarou, nesta quinta-feira (7), estado de emergência para a capital do pais, Tóquio e cidades vizinhas. A decisão foi tomada depois que o nível de contágio por coronavírus superou o da primeira onda da pandemia no país.

A medida tem validade até o dia 2 de fevereiro (sexta-feira) e se aplica a capital Tóquio e às cidades de Chiba, Saitama e Kanagawa.

Os prefeitos de Tóquio e das cidades vizinhas já vinham pressionando o primeiro-ministro para tomar tal decisão, porém, Suga hesitou. Agora é critica e acusado pelo avanço do coronavírus no país.

Esta é a segunda vez que Tóquio e outras regiões do Japão entram no estado de emergência, a primeira foi em março de 2020.

Na quarta-feira (7) o Japão registrou 5.593 novas infecções por Covid-19, o maior número desde o começo da pandemia. Atualmente, o país tem 259.105 contaminados pelo coronavírus e 3.804 mortes.

Tóquio e a sua região metropolitana são as áreas mais atingidas pelo coronavírus. Do último boletim divulgado com o total de infectados, a capital é responsável por mais de 2.400 das novas infecções, ou seja, 50% dos novos casos de coronavírus estão na capital do Japão.

Com informações da CNN EUA.

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Em 2021, escolha a Fórum.

Fazer jornalismo comprometido com os direitos humanos e uma perspectiva de justiça social exige apoio dos leitores. Porque se depender do mercado e da publicidade oficial de governos liberais esses projetos serão eliminados. Eles têm lado e sabem muito bem quem devem apoiar.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR