sábado, 24 out 2020
Publicidade

Pandemia leva paulistano a migrar do ônibus para carro ou app, mostra pesquisa

Estudo da Nossa São Paulo mostra que, neste ano, parcela da população de SP que usa transporte individual superou a que circula com os meios coletivos

A pandemia de Covid-19 fez com que a quantidade de paulistanos que usam transporte individual ou particular superasse o número de passageiros de transporte público pela primeira vez desde 2017. Dados de pesquisa da Rede Nossa São Paulo e Ibope divulgados nesta quinta-feira (15) mostram que 52% dos moradores da capital paulista estão se locomovendo pela cidade com transporte individual, enquanto 48% fazem uso dos meios coletivos.

Apesar de a diferença ser pequena, o dado indica uma transformação radical já que há três anos o volume de passageiros do transporte público municipal representava 65% do total. Em 2019, os ônibus municipais eram o meio de transporte de 47% das pessoas e, neste ano, passaram a ser a escolha de 35% delas.

O deslocamento a pé, que em 2019 era adotado por 6%, neste ano foi a opção de 15%; e 25% mencionam o carro como principal meio de transporte – em 2019, era 20%.

A pesquisa revela, também, que 35% da população paulistana não está saindo de casa para a sua atividade principal – em 2019, esse número era 18%. Os dados mostram que esta proporção cresce quanto maior a renda e a escolaridade, chegando a 52% na faixa de renda familiar acima de cinco salários mínimos.

Medo do vírus e ônibus lotado

O levantamento conseguiu captar como o medo de contrair o coronavírus está afetando a avaliação sobre os meios de transporte e a opção que os paulistanos têm feito para se deslocar, quando possível.

Medo de pegar coronavírus e ônibus muito cheios são os motivos mais importantes para escolha de outros meios de transporte em vez dos coletivos municipais para mais de um terço da população paulistana – ambos com 35% do total das menções.

Entre os moradores da capital paulista que aumentaram a frequência de uso do carro, 39% afirmam que o fizeram por causa da pandemia e 20% devido à lotação do transporte público.

Para a pesquisa, foram ouvidas 800 pessoas de 16 anos de idade ou mais.

Fabíola Salani
Fabíola Salani
Graduada em Jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo. Trabalhou por mais de 20 anos na Folha de S. Paulo e no Metro Jornal, cobrindo cidades, economia, mobilidade, meio ambiente e política.