Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
05 de fevereiro de 2020, 19h54

Papa Francisco ao FMI: “Dívidas dos países não podem ser pagas com sacrifícios do povo”

Declaração foi feita durante visita ao Vaticano da economista Kristalina Georgieva, principal autoridade do Fundo. A Argentina, país onde nasceu o religioso, é o país que tem a maior dívida com a entidade atualmente

Papa Francisco cumprimenta o ministro da Economia argentino, Martín Guzmán, que está ao lado da chefa do FMI, Kristalina Georgieva (Foto: Página/12)

Menos de uma semana depois da passagem do presidente argentino Alberto Fernández ao Vaticano, seu conterrâneo, o Papa Francisco, recebeu duas delegações de economistas que irão decidir o futuro econômico do país sul-americano. Uma delas é a do Ministério de Economia da Argentina, e outra é a do FMI (Fundo Monetário Internacional). A pauta do encontro é a dívida argentina para com o organismo de crédito.

A ação mediadora de Francisco, iniciada nesta quarta-feira (5), é um dos trunfos de Fernández para tentar renegociar uma astronômica dívida deixada pelo governo neoliberal de Mauricio Macri, e o pontífice não perdeu a chance de interceder em favor do seu país natal.

Durante sua declaração, e estando ao lado da economista búlgara Kristalina Georgieva, principal autoridade do FMI, Francisco disse que “as dívidas (dos países) não podem ser pagas com sacrifícios insuportáveis (para o povo)”.

Em outra passagem de seu discurso, o sumo sacerdote afirmou que “claro que é justo que as dívidas devem ser pagas, mas não é lícito que isso leve à imposição de opções políticas tais que levem à fome e ao desespero de populações inteiras”, em clara alusão às políticas de austeridade que o FMI costuma impor aos países que solicitam sua ajuda financeira.

Em sua intervenção, durante o momento do encontro aberto à imprensa, Georgieva mostrou-se aberta à crítica do Papa, e disse que “a Argentina se encontra em um momento muito propício para colocar em prática medidas que levem a uma reestruturação bem sucedida de sua dívida, sem perder de vista as políticas de sustentabilidade e inclusão”.

Além de Francisco e de Georgieva, também estava presente no encontro o economista Martín Guzmán, ministro a Economia do governo de Alberto Fernández. A Argentina é, atualmente, o país que possui a maior dívida com o FMI, de 46,5 bilhões de dólares, toda ela adquirida em 2018, em acordo realizado com Mauricio Macri.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum