Fórumcast, o podcast da Fórum
30 de maio de 2014, 08h32

Para revista Forbes, Ucrânia “precisa de um”Pinochet”

O colunista Iván Kompan exaltou os feitos do general durante seu regime ditatorial no Chile e afirma que alguém como ele é o ideal para os ucranianos saírem de sua "crise"

O colunista Iván Kompan exaltou os feitos do general durante seu regime ditatorial no Chile e afirma que alguém como ele é o ideal para os ucranianos saírem de sua “crise”

Por Vinicius Gomes

“A Ucrânia de hoje é igual ao Chile de 1973, está vivendo mudanças históricas.” Assim Iván Kompan, colunista da edição ucraniana da Revista Forbes, classificou a situação do país que teve um presidente deposto e hoje vive uma situação de quase guerra civil.

O colunista da publicação, apesar de admitir as torturas e assassinatos de dezenas de milhares de pessoas sob o regime ditatorial do general – a quem ele simplesmente classifica como “um personagem ambíguo” – prefere sugerir que a atual nota “A” que a agência de rating Standard&Poors, denunciada nos EUA por manipulação do mercado financeiro , deu ao país andino como o vigésimo menos corrupto, foi  algo “cimentado por Pinochet, que permitiu que um país atrasado se tornar uma das economias mais bem sucedidas da América Latina”.

Continuando a ignorar totalmente o impacto que a ditadura militar teve no Chile e a tragédia que tem custado vidas e mais vidas na Ucrânia, o colunista parece acertar – sem querer – em apenas uma única coisa que realmente liga os contextos históricos dos dois países: ambos tiveram presidentes democraticamente eleitos depostos com apoio dos EUA.

Kompan faz isso ao elogiar a atitude de Pinochet em enviar economistas chilenos para irem estudar nos EUA, principalmente na Universidade de Chicago, e voltarem para casa trazendo  ideias que pavimentariam o neoliberalismo que fez com que a década de 1980 na América Latina, ficassec conhecida como a “década perdida”. Estes foram os Chicago Boys: “O grande mérito do general Pinochet é que ele não teve medo de apostar em um grupo de graduados chilenos na Universidade de Chicago e outras universidades norte-americanas: jovens, educados e criados sob o espírito do liberalismo clássico”, disse o colunista.

Para terminar, desejando os melhores votos ao povo ucraniano, ele afirma: “sem ele [um “Pinochet” ucraniano], pode ser que não haja reformas”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum