Fórumcast #20
27 de setembro de 2012, 11h43

Paraguai: organizações deploram desfile de crianças fardadas

Desfile em homenagem à vitória do país na Batalha de Curupayty teve participação de meninos vestidos com fardas camufladas do Exército e portando fuzis no ombro

Desfile em homenagem à vitória do país na Batalha de Curupayty teve participação de meninos vestidos com fardas camufladas do Exército e portando fuzis no ombro

Por Natasha Pitts, da Adital

No último sábado, dia 22, o governo paraguaio de Federico Franco promoveu um desfile em homenagem à vitória do país na Batalha de Curupayty, ocorrida em 22 de setembro de 1866, durante a Guerra da Tríplice Aliança. Não haveria problemas com a homenagem se não fosse a participação de meninos vestidos com fardas camufladas do Exército e portando um fuzil no ombro, como se fossem militares.

O desfile repercutiu negativamente em todo o país e despertou críticas por parte de inúmeras organizações, sobretudo as que velam pelos direitos das crianças e dos adolescentes. Em comunicado à opinião pública, o Fórum pelo Direito à Educação denunciou as autoridades como principais responsáveis pelo ressurgimento de práticas militares no Sistema Educativo, e também lamentou o fato de as crianças estarem portando armas de brinquedo quando deveriam “aprender jogando para a vida e a paz e não para a guerra e a violência”.

Veja também:  Após "piada" com a Lusa, Weintraub tenta se redimir: "A camisa é vermelha, mas o número não é 13"

O Fórum enxerga este desfile como uma prova de que a educação no Paraguai continua sendo instrumentalizada, como na época da ditadura, para a instalação de um regime ‘militarista, autoritário e perverso’, visto que o Estado manipula os setores mais vulneráveis no lugar de oferecer a eles absoluta proteção.

“Desde o Fórum pelo Direito à Educação repudiamos situações desta envergadura e reivindicamos uma educação para a construção de uma sociedade democrática, participativa, que forme pessoas conscientes e comprometidas para a construção de um país com justiça social, paz e de plena vigência dos direitos”, reclamam.

A Coordenadora pelos Direitos da Infância e da Adolescência, coletivo que une 27 organizações que lutam pelos direitos de crianças e adolescentes, também não deixou o fato passar despercebido e manifestou publicamente todo seu repúdio à participação das crianças no desfile. A Coordenadora ainda lamentou a participação do Ministério da Educação e Cultura na promoção deste tipo de evento.

O coletivo alertou que a associação de crianças com armas, situações bélicas ou ligadas a conflitos armados é altamente desaconselhável ao desenvolvimento infanto-juvenil, visto que promove uma cultura de violência e guerra.

Veja também:  Assessora do Planalto diz ao TSE que presenciou disparo de fake news que beneficiou Bolsonaro

De acordo com a Coordenadora pelos Direitos da Infância e da Adolescência, nos últimos anos pelo menos 90 adolescentes morreram em dependências militares, enquanto outros ficaram feridos ou com deficiências, motivo pelo qual o Estado paraguaio se comprometeu com a comunidade nacional e internacional a não permitir que menores de idade se engajassem em funções do serviço militar.

Diante disto, a Coordenadora pede que o Estado paraguaio cumpra com sua palavra e chama a população do país os meios de comunicação a aderirem a uma cultura de tolerância zero com as propostas que promovam violência e prejudiquem o crescimento e o desenvolvimento integral das crianças e adolescentes.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum