Parlamentares veem Guedes abandonar agenda liberal por reeleição de Bolsonaro

Segundo informações da TV Band, ministro disse a congressistas que vai priorizar recursos para Renda Brasil e obras

Em nome da reeleição de Jair Bolsonaro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse  a líderes no Congresso que vai dar prioridade à tarefa de conseguir dinheiro para o Renda Brasil, que vai substituir o Bolsa Família, criado na gestão do ex-presidente Lula e que sempre foi criticada pelo capitão reformado quando ele era deputado federal. O programa é visto por Guedes como chave para conseguir votos para seu chefe em 2022 e por isso será sua prioridade, segundo informações da jornalista Clarissa Oliveira, da TV Band.

Além disso, em reunião realizada na última quarta-feira (12) para discutir o teto de gastos públicos, Guedes teria dito que vai conseguir R$ 5 bilhões para obras, a serem destinados aos ministérios da Infraestrutura e do Desenvolvimento Regional.

Essas falas foram interpretadas pelos parlamentares como um sinal de que Guedes desistiu de cumprir agenda econômica liberal prometida na campanha. A leitura é que a reforma tributária ainda pode vingar, mas as privatizações e a reforma administrativa têm grandes chances de “subir no telhado”.

As falas de Guedes ocorreram nos bastidores em meio à saída, na terça-feira (11), de seus assessores nomeados exatamente para privatizações e reforma administrativa: Salim Mattar e Paulo Uebel pediram demissão em um movimento qualificado pelo próprio ministro como “debandada”. Para seus lugares, foram nomeados na quinta-feira (13) dois técnicos que já integravam o governo, em vez de nomes vindos do mercado.

O atual secretário de Desenvolvimento de Infraestrutura do Ministério da Economia, Diego Mac Cord, assumirá a Secretaria de Desestatização, no lugar de Mattar. Já Caio Andrade, que preside o Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), vai para a Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, substituindo Uebel.

Fura ou não fura o teto de gastos?

Depois de dizer em sua live semanal que pretende extrapolar o teto de gastos públicos, o presidente Jair Bolsonaro publicou nesta sexta-feira (14) texto em suas redes sociais negando que seja essa sua intenção.

O capitão reformado escreveu que, na transmissão, quando indagado sobre “furar” o teto, começou dizendo que Guedes mandava “99,9% no Orçamento” e que tudo o que falou depois disso dava conta de que, “por mais justa que fosse a busca de recursos por parte de ministros finalistas, a responsabilidade fiscal e o respeito Emenda Constitucional do ‘Teto’” seriam o norte do governo.

Durante a live, a fala de Bolsonaro foi: “A ideia de furar teto existe, o pessoal debate. Qual é o problema?”, alegando que a intenção é arranjar recursos para obras no Nordeste.

*Com informações da TV Band

Avatar de Fabíola Salani

Fabíola Salani

Graduada em Jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo. Trabalhou por mais de 20 anos na Folha de S. Paulo e no Metro Jornal, cobrindo cidades, economia, mobilidade, meio ambiente e política.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR