Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
03 de janeiro de 2020, 15h35

Partido de Evo Moralles lidera disputa na Bolívia mesmo sem ter candidato

Mesmo sem ter um nome na lista de candidatos legais, a opção "candidato do MAS" foi a mais citada pelos entrevistados, com 20,7% das preferências

Manifestantes na Praça Principal de Cochabamba | Reprodução/Twitter/Los Tiempos

Uma pesquisa publicada nesta sexta-feira (3), realizada pelo instituto CiesMori, para o canal de televisão Unitel, mostrou o tamanho do favoritismo do partido MAS (Movimento ao Socialismo, de Evo Morales) nas eleições presidenciais que se realizarão na Bolívia neste ano – depois que as de 2019 foram consideradas nulas após o golpe de Estado de novembro passado.

Mesmo sem ter um nome na lista de candidatos legais, a opção “candidato do MAS”, sem especificar quem, foi a mais citada pelos entrevistados, com 20,7% das preferências. Em segundo lugar, com 15,6%, ficou a ditadora Jeanine Áñez, que assumiu o poder no país em 12 de novembro, dois dias depois do golpe, e sem um quórum mínimo do Senado para legitimar sua designação – mas com o claro apoio das Forças Armadas.

O jornalista Carlos Mesa, que perdeu a disputa em outubro contra Evo Morales no primeiro turno, e que por isso iniciou a campanha que terminou com o golpe de Estado – aparece em terceiro lugar, com 13,8%.

Outro importante líder golpista, o empresário Luis Fernando Camacho, tem apenas 6,9%. Camacho, que também se distingue por ser o principal aliado de Jair Bolsonaro no país, chegou a visitar o Itamaraty semanas antes do início da campanha presidencial do ano passado, e saiu da reunião alegando, meses antes da votação, que temia por uma fraude nas eleições.

Vale lembrar que, durante esta semana, o Tribunal Eleitoral da Bolívia chegou a aceitar as denúncias do governo e de partidos de direita para proibir o registro eleitoral do MAS, mas terminou dando sentença contrária a elas, ou seja, inocentando o partido de Evo e permitindo que ele participe das próximas eleições. Contudo, essa mesma denúncia e a incerteza sobre a participação do partido foi o que levou o instituto CiesMori a não incluir um candidato da esquerda na pesquisa.

Em outras pesquisas, realizadas em dezembro de 2019, o opção o MAS foi representada por Andrónico Rodrígues, um jovem líder sindical, de apenas 30 anos, e que aparece com entre 20% e 23%, dependendo da medição.

O Tribunal Eleitoral da Bolívia deve anunciar na próxima semana o calendário oficial das eleições.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum