Pastor André Vitor assedia criança em vídeo divulgado por Wesley Safadão

As imagens mostram o religioso agarrando uma menina e ficando excitado. Vídeo foi apagado pelo cantor após repercussão nas redes

Um story compartilhado pelo cantor Wesley Safadão em seu perfil no Instagram gerou revolta entre os internautas, pois nele aparece o pastor André Vitor assediando uma criança.

Nas imagens, é possível ver o religioso abraçando uma criança por trás. Em seguida, a menina se desvencilha do abraço de André com certo incômodo.

Outro fator que chamou a atenção é que, logo após apalpar a criança, ele abaixa a camiseta, como se quisesse esconder estar excitado.

Após a grande repercussão, o cantor Wesley Safadão apagou os stories e, na sequência, saiu em defesa do pastor.

Notícias relacionadas

Por sua vez, o pastor conversou com o jornal O Dia e afirmou que há um grande equívoco de interpretação.

Sobre o fato de ter puxado a camiseta para baixo, o pastor afirmou que é algo que faz sempre, pois, está fora do peso e quer esconder a barriga.

O religioso também afirmou que é tudo “uma grande loucura e injustiça que já está sendo acompanhada por uma equipe criminal”.

Publicidade

Por fim, ele reafirmou que é uma pessoa do convívio íntimo dos pais das crianças e que todos estão “muito indignados”.

https://www.youtube.com/watch?v=q2mpb_jP-10

Notícias relacionadas

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR