Paulo Guedes exige que Banco Central atue para conter inflação

Defensor da tese do Banco Central autônomo, o ministro da economia, durante coletiva, cobrou a instituição para que aumente a taxa Selic

Defensor da tese do Banco Central autônomo, o ministro da Economia, Paulo Guedes, cobrou publicamente a instituição para que atue no sentido de conter a inflação.

Durante entrevista coletiva concedida na noite desta sexta-feira (22), o ministro da Economia, Paulo Guedes, além de assumir que o governo vai furar o teto de gastos para bancar o programa “Auxílio Brasil”, cobrou o BC para que aja no sentido de controlar a inflação.

Como justificativa para a sua cobrança, Guedes afirmou que o furo no teto de gastos piorou a situação fiscal do país e, portanto, a instituição precisa subir mais a Selic (taxa básica de juros).

“Se o fiscal piorou um pouco, eu voltei de viagem dos EUA e o fiscal piorou um pouco, então tem que correr um pouquinho mais com o juro também”, disse Guedes em tom de cobrança.

Neste momento, a Selic está em 6,25%. Na semana que vem a diretoria do BC vai se reunir para discutir o novo patamar da taxa.

Quem decide o novo patamar da taxa Selic é o presidente do banco, Roberto Campos Neto e seus oito diretores.

Autônomo desde fevereiro, o BC tem liberdade para definir as suas políticas.

Setores do mercado financeiro trabalham com a expectativa de que o BC eleve em 1,5 a Selic, o que a levaria para 7,25% ao ano.

Publicidade

De acordo com o último levantamento do IPCA – índice oficial da inflação -, nos 12 meses até setembro o indicador acumulou alta de 10,25%, o que tem tornado a vida dos brasileiros mais cara.

Dólar dispara e bolsa despenca após debandada no time de Guedes

Após a aprovação na Comissão Especial da Câmara dos Deputados nesta quinta-feira (21), do texto-base da PEC dos Precatórios, que permite ao governo furar o teto do limite de gastos – fato que provocou debandada no ministério da Economia de Paulo Guedes – o dólar chegou a bater R$ 5,7130 por volta das 10h11 da manhã desta sexta-feira (22), uma alta de 0,81%.

Publicidade

Além disso, o Ibovespa, índice de referência da Bolsa de Valores Brasileira, aprofundava a queda na abertura do mercado, atingindo a mínima de 106.284 pontos às 10h14, uma baixa de 1,34%.

Aprovada PEC que permitirá a Bolsonaro furar teto de gastos

A Comissão Especial da Câmara dos Deputados aprovou na noite desta quinta-feira (21) o texto-base da PEC dos Precatórios, que em sua nova versão abriu um “espaço fiscal” para que o governo de Jair Bolsonaro gaste até R$ 83 bilhões a mais no orçamento, o que possibilitará ao presidente pagar R$ 400 a 17 milhões de famílias até o final de 2022, ano de eleição.

Na prática, para não furar o sagrado teto de gastos cultuado pelos ultraliberais que apoiam o governo do presidente de extrema direita, o limite desse teto foi expandido, permitindo à combalida gestão de Bolsonaro distribuir o benefício justamente no momento em que sua popularidade derreteu e jogou seus índices de aprovação ao nível mais baixo desde sua posse.

Parlamentares da base do governo admitiram que o texto sofreu alterações até minutos antes de ser submetido a votação na Comissão Especial, para que nele pudessem ser incluídos os R$ 83 bilhões que permitirão a Bolsonaro colocar em marcha seu projeto oportunista de liberar renda apenas no período das eleições. O placar ficou em 23 a 11 pela aprovação.

A matéria seguirá agora para o plenário da Câmara dos Deputados, para que seja votado por todos os parlamentares da Casa. Ainda não há data exata para a votação.

Com informações do UOL.

Notícias relacionadas

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR