PDT vai ao STF para que tese jurídica da legítima defesa da honra vire inconstitucional

Segundo a legenda, Tribunais do Júri têm absolvido feminicidas com base em interpretação equivocada do Código Penal; tese ficou famosa no julgamento de Doca Street pelo assassinato de Ângela Diniz

O PDT deu entrada nesta quarta-feira (6) em uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para questionar a constitucionalidade da tese jurídica da “legítima defesa da honra”. No processo, a legenda argumenta que, com base na interpretação de dispositivos do Código Penal e do Código de Processo Penal, Tribunais do Júri têm aplicado a tese e absolvido feminicidas. O partido pede concessão de liminar no caso.

A ação é uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF), que recebeu o número 779. Ela foi distribuída ao ministro Dias Toffoli e já foi encaminhada à Presidência do Tribunal para apreciação da liminar.

Segundo o PDT, a tese admite que uma pessoa (normalmente um homem) mate outra (normalmente uma mulher), para proteger sua honra, em razão de uma traição em relação afetiva. No entanto, sustenta o partido na peça, qualquer interpretação de dispositivos infraconstitucionais que admita a absolvição de assassinos de mulheres por “legítima defesa da honra” não é compatível com os direitos fundamentais à vida e à não discriminação das mulheres nem com os princípios da dignidade da pessoa humana, da razoabilidade e da proporcionalidade.

O partido assinala que, pelo menos desde 1991, Tribunais de Júri têm absolvido feminicidas com fundamento nessa tese. Isso, em sua visão, resulta em “relevante controvérsia constitucional”. Isso porque Tribunais de Justiça e o Superior Tribunal de Justiça ora anulam sentenças com base no artigo 593, inciso III, “d”, do Código de Processo Penal (CPP), por manifesta contrariedade à prova dos autos, ora mantêm as absolvições com base na soberania do júri.

Para a legenda, a soberania dos veredictos atribuída ao Tribunal do Júri não lhe permite tomar decisões condenatórias ou absolutórias manifestamente contrárias à prova dos autos.

No entender da legenda, a absolvição da pessoa acusada por teses de lesa-humanidade, como no caso, gera a nulidade do veredicto do júri.

O PDT pede que o STF interprete a Constituição de forma a impedir que os tribunais de júri usem a tese da legitima defesa da honra para aplicar a exclusão de ilicitude e a legitima defesa, ambas na legislação penal brasileira, aos crimes de feminicídio.

Caso Ângela Diniz e Doca Street

A tese foi usada em um julgamento famoso no país: o assassinato da socialite Ângela Diniz por seu namorado, Doca Street. Em dezembro de 1976, durante uma discussão do casal, ele a matou com quatro tiros no rosto. No primeiro julgamento do caso, em 1979, defesa de Street alegou que o assassino havia atuado em “legítima defesa da honra”, por supostas traições que teria sofrido por parte da namorada. Os jurados aceitaram a justificativa. Ele recebeu uma sentença branda, de apenas 18 meses de prisão, que foram anulados pelo fato de ele ser réu primário – ou seja, ele saiu do tribunal em liberdade.

O movimento feminista realizou fortes protestos contra a decisão, lançando o slogan “quem ama não mata”, e a reação da opinião pública fez com que, dois anos depois, em 1981, houvesse um segundo julgamento, no qual Street insistiu na tese de “legítima defesa da honra”, mas dessa vez sem tanto sucesso: foi condenado a 15 anos de prisão.

O playboy morreu em dezembro de 2020, aos 86 anos.

Avatar de Fabíola Salani

Fabíola Salani

Graduada em Jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo. Trabalhou por mais de 20 anos na Folha de S. Paulo e no Metro Jornal, cobrindo cidades, economia, mobilidade, meio ambiente e política.

Em 2021, escolha a Fórum.

Todos os dias Fórum publica de 80 a 100 matérias desde às 6h da manhã até à meia-noite. São 18h de textos inéditos feitos pela equipe de 10 jornalistas da redação e também por mais de três dezenas de colaboradores eventuais.

E ainda temos 3 programas diários no YouTube. O Fórum Café, com Cris Coghi e Plínio Teodoro, o Fórum Onze e Meia, com Dri Delorenzo e este editor, e o Jornal da Fórum, com Cynara Menezes. Além de vários outros programas semanais, como o Fórum Sindical, apresentado pela Maria Frô.

Tudo envolve custos. E é uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar neste ano, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

É fácil. Clique em apoiar e escolha a melhor forma de escolher a Fórum em 2021.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR