Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
15 de outubro de 2016, 14h52

PEC 241 pode tirar R$ 868 bi da assistência e levar ao fim do Bolsa Família

Estudo divulgado pelo IPEA mostra impactos da PEC que impõe teto para os gastos públicos no orçamento da assistência social e conclui que programas como Bolsa Família e aposentadoria para pessoas de baixa renda estarão em risco com aprovação da medida

Da Redação

A aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241 pode retirar R$ 868 bilhões das políticas de assistência social do Brasil nos próximos 20 anos, o que pode ser o fim de programas como o Bolsa Família e aposentadoria para pessoas de baixa renda. A PEC impõe um teto para os gastos públicos, com fortes impactos no orçamento de áreas como saúde e educação, e foi aprovada em primeira votação na Câmara dos Deputados.

A conclusão é do estudo “O Novo Regime Fiscal e suas Implicações para a Política de Assistência Social no Brasil”, elaborado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e divulgado neste sábado (15) pela Folha de S. Paulo.

De autoria de Andrea Barreto de Paiva, Ana Claudia Cleusa Serra Mesquita, Luciana Jaccoud e Luana Passos, o estudo conclui que a PEC levará a um corte de mais da metade dos recursos que seriam investidos até 2036 para manter os serviços nos padrões atuais. Isso se daria por dois fatores: o congelamento de receitas e aumento das despesas, com a entrada de novos beneficiários nos programas, com o crescimento da população.

Dessa forma, programas como o Bolsa Família, BPC (previdência para pessoas que vivem com menos de R$ 220 per capita e que não contribuíram ao longo da vida ativa), o PSB (Proteção Social Básica) e o Programa de Segurança Alimentar poderão ser excluídos pelos próximos presidentes. Em 2015, esses programas consumiram, juntos, 1,26% do PIB. A projeção, em 20 anos, aponta que esse teto encolheria a 0,7% do PIB.

A nota do Ipea crítica a proposta do governo, e diz que o teto ‘impactará de forma irreparável as redes protetivas’. As projeções do estudo do Ipea levam em consideração um crescimento econômico acima de 3% entre 2019 e 2028 e acima de 2% entre 2029 e 2036. E uma inflação média de 3,5% ao ano entre 2020 e 2036.”

Saúde pública em risco

Pesquisadores do IPEA também divulgaram estudo criticando os impactos negativos da PEC 214 para o financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS). A publicação levou a críticas públicas do presidente do Instituto, Ernesto Lozardo, indicado por Temer, que emitiu nota buscando deslegitimar o estudo. Como resultado, uma das autoras pediu exoneração do IPEA.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum