Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
24 de Maio de 2014, 10h15

“Pedimos que o Brasil substitua seus tanques de guerra por tratores agrícolas”, diz senador do Haiti

O senador haitiano Jean-Charles Moise esteve esta semana no Brasil para reforçar a exigência da retirada de todas as tropas da ONU no Haiti, lideradas por soldados brasileiros

O senador haitiano Jean-Charles Moise esteve esta semana no Brasil para reforçar a exigência da retirada de todas as tropas da ONU no Haiti, lideradas por soldados brasileiros

Por Vinicius Gomes

Quando o Brasil foi selecionado pelo Conselho de Segurança da ONU para liderar o Minustah (Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti), o clima foi de euforia. O Brasil finalmente estava sendo reconhecido como um importante ator no cenário global e definitivamente dava um passo em direção à tão ambicionada cadeira permanente do Conselho. Ou assim, nós pensávamos.

Por todos os lugares do Haiti é possível observar o descontentamento da população haitiana com a operação da ONU no país (Ansel Herz/WikiLeaks)

Por todos os lugares do Haiti é possível observar o descontentamento da população haitiana com a operação da ONU no país (Ansel Herz/WikiLeaks)

Quase 10 anos depois a relação entre o país caribenho e ONU/Brasil parece estar chegando ao fim e os haitianos estão demonstrando seu descontentamento em diversas áreas. Nesta semana, a convite do Comitê “Defender o Haiti é Defender a Nós Mesmos” (ALESP/SP), o senador haitiano opositor ao governo Jean Charles Moise apresentou, em audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias, a exigência da retirada dos 1.200 soldados brasileiros que compõem a tropa de paz no Haiti.

O parlamentar já esteve presente em dezembro passado no país, quando entregou ao Senado brasileiro uma resolução – aprovada unanimemente por senadores do Haiti – para a retirada paulatina das tropas do Minustah até 28 de maio de 2014. Por duas vezes já, em setembro de 2011 e maio de 2013, que o senado haitiano aprova por unanimidade as resoluções exigindo o fim do Minustah. Entretanto, em sua última reunião com altos oficiais da ONU, foi expressa a vontade do Conselho de Segurança de manter as tropas até 2016. “Quando um país mantém tropas em outro, sem que este o queira, estamos diante de uma ocupação. Não existe outra maneira de chamar”, disse Moise.

O surto de cólera que atingiu o país foi comprovadamente, causado por tropas do Nepal, que compunham os capacetes-azuis da ONU: os soldados jogavam fora suas fezes em um rio próximo à base militar deles (Reprodução)

O surto de cólera que atingiu o país foi comprovadamente, causado por tropas do Nepal, que compunham os capacetes-azuis da ONU: os soldados jogavam fora suas fezes em um rio próximo à base militar deles (Reprodução)

Soma-se a isso também o descontentamento haitiano com a ONU por sua recusa em indenizar as vítimas do surto de cólera que atingiu o país e que foi, comprovadamente, causada por tropas do Nepal, que compunham os capacetes-azuis da ONU: os soldados jogavam fora suas fezes em um rio próximo à base militar deles. Mesmo assim, a Minustah não é o único alvo da insatisfação haitiana. Na mesma época da visita de Moïse em dezembro, as ruas da capital Port-au-Prince e de outras cidades foram tomadas por manifestantes cansados do presidente Michel Martelly, com protestos exigindo sua renúncia.

Algo que está absolutamente claro é que, seja quais forem os seus problemas, os haitianos sentem que são eles quem devem resolvê-los e querem usar de sua auto-determinação a fim de definir seus rumos internamente e de sua soberania ao dizer que não querem mais a Minustah no país.

Fórum – Você veio ao Brasil em dezembro passado fazer o mesmo pedido ao governo brasileiro para a retirada das tropas da ONU. Na ocasião, estava estipulado que a data limite seria 28 de maio de 2014, o que é quarta-feira da semana que vem. Essa retirada irá de fato acontecer?

Jean-Charles Moise – Você sabe que em 2004 tivemos uma crise política no Haiti. Esta crise foi criada pela própria, autodenominada, comunidade internacional e para acalmar os haitianos nos disseram que iriam vir nos ajudar. Fizeram todas as belas promessas do mundo: “vamos estabilizar politicamente o país, vamos construir escolas, estradas, ajudar os camponeses”; mas então, passaram-se seis meses e não fizeram nada, agora já são 10 anos. E, nós haitianos dizemos: 10 anos basta. Por isso estamos engajados na retirada das tropas da ONU.

Não apenas eles não construíram nada disso, mas fizeram ao contrário: o povo haitiano é vitima da presença dessas tropas. Veja o problema da cólera, da violação dos direitos humanos, abusos sexuais também. Por isso que somos muito claros, exigimos a retirada das tropas. Esta é uma batalha fácil? Claro que não. Apresentei uma proposta ao Senado do Haiti e ela foi aprovada por unanimidade por todos os senadores. Votamos essa resolução em 28 de maio de 2013, na qual exigimos a retirada da Minustah dentro de um ano. Esse é o nosso trabalho como parlamentar. E o povo haitiano está a todo o momento indo às ruas para se manifestar contra a presença das tropas, mas essa não é uma batalha fácil.

Porque as tropas estão lá para proteger os interesses do imperialismo, por isso é difícil. Todos os países têm interesses no Haiti, mas nós estamos progredindo nessa batalha. Pela primeira vez, em dezembro passado, o PT em seu último Congresso Nacional, adotou uma resolução que falava da retirada das tropas e, pela primeira vez nesta viagem de agora, a Comissão dos Direitos Humanos do Congresso também votou por essa retirada. Estabeleceu-se também que o governo brasileiro era quem deveria tomar a frente na campanha para que todos os países que têm soldados no Haiti também os retirem.

Encontrei com o presidente [José] Mujica, do Uruguai, e ele me falou que não teria problema, que em três meses iria trazer de volta seus soldados – isso no final de 2013. Mas então o governo dos EUA e o secretário-geral da ONU, Ban-Ki Moon, fizeram pressão no Mujica e ele adiou a retirada das tropas, após as eleições no Haiti. Então, veja, não é fácil, mas não iremos desistir. 

Fórum – As eleições haitianas estão marcadas para outubro desse ano, mas parece que o Senado e a Câmara dos Deputados não assinaram a proposta e não concordam com a eleição. É certo isso?

Moise – Os deputados estão de acordo. Digo, a maioria dos deputados está de acordo, mas uma parte deles não. No Senado é diferente. É claro que todos nós queremos eleições, mas não estamos de acordo com a maneira como essas eleições estão sendo conduzidas.

Temos uma posição muito clara de que o Conselho Eleitoral que irá organizar as eleições deve ser montado de acordo com a legislação do Haiti. Os senadores disseram claramente que o comitê eleitoral tem que organizar as eleições para o dois terços do Senado, assim como para as administrações locais, o pleito deve ser instituído de acordo com o artigo 289 da Constituição haitiana de 1987. Estamos dizendo isso porque o governo quer colocar um conselho eleitoral do seu jeito para poder fraudar as eleições

Fórum – Até hoje muitos haitianos contestam a eleição do atual presidente Michel Martelly. Por que?

Moise – Porque o Martelly não estava entre os primeiros lugares para a ida ao segundo turno. Não deveria nem ter disputado o segundo turno. Como ele é norte-americano, os EUA o impuseram aos haitianos e é por isso que ele apóia políticas neoliberais e entrega nossos recursos minerais a países como os EUA, Canadá e França.

Fórum – Que setores da economia haitiana estão nas mãos de empresas estrangeiras?

Moise – Companhias de minério norte-americanas, francesas e canadenses. A Digicel, uma empresa anglo-jamaicana também controla nossas telecomunicações. Eles dominam 80% do mercado de telefonia e de internet no Haiti.

Fórum – O Conselho de Segurança da ONU disse que planeja retirar as tropas da Minustah apenas em 2016 – visando ter mais tempo para treinar cerca de mil policiais haitianos. Vocês podem esperar tanto tempo assim?

Moise – Não, e essa é uma maneira [da ONU] justificar sua presença no Haiti. Todo ano tem que se renovar o mandato da Minustah na ONU. Dois meses antes da decisão desse voto, podíamos constatar o que acontece por todo o Haiti. Existe um aumento na insegurança no país. Os sequestros aumentam, as violações aos direitos humanos aumentam, os roubos aumentam – tudo o que envolve a insegurança no país coincidentemente aumenta nesse período [de votação]. Eles então redigem a resolução dizendo: ‘Tendo em vista o aumento no roubo, o aumento no sequestro, o aumento na violação dos direitos humanos e que a polícia nacional não tem como prover segurança no país, votamos pela prorrogação”.

Nós entendemos perfeitamente o jogo que eles fazem. Desde 2004, tínhamos sim uma policial nacional profissional, então eles disseram que viriam a nos ajudar por seis meses – para ajudar a polícia. Mas não fizeram isso em seis meses e agora, 10 anos depois, ainda não conseguiram. Quando é que eles irão conseguir?

São mentirosos. São “malandros”. Nós exigimos a retirada imediata e incondicional das tropas da Minustah, pois não estamos em guerra e não existe guerra civil no Haiti. Então o que justifica a presença deles no país?

Fórum – Em sua opinião, você acha que o Brasil usou o Haiti como uma escada para conseguir um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU?

Moise – No começo achamos que era o caso. Mas não tenho como demonstrar isso, como provar isso. O que posso dizer aos brasileiros é que suas tropas não podem nos ajudar lá. Queremos a ajuda dos brasileiros, por isso pedimos que o Brasil substitua seus tanques de guerra por tratores agrícolas.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum