domingo, 27 set 2020
Publicidade

PGR se manifesta contra divulgação integral de vídeo de reunião ministerial

O procurador-geral da República, Augusto Aras, se manifestou nesta quinta-feira (14) contra à divulgação integral do vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril, citada pelo ex-ministro Sergio Moro como prova da interferência do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal.

Aras alegou possíveis usos eleitorais em 2022 dos conteúdos que aparecem no vídeo. Para o procurador, deve ser levantado o sigilo apenas das falas de Bolsonaro que digam respeito ao que está sendo investigado no inquérito em curso no Supremo Tribuna Federal (STF).

O vídeo foi entregue pelo governo e exibido para representantes da AGU (Advocacia-Geral da União), a defesa do presidente, da PGR (Procuradoria-Geral da República) e da defesa de Moro.

“A divulgação integral do conteúdo o converteria, de instrumento técnico e legal de busca da reconstrução histórica de fatos, em arsenal de uso político, pré-eleitoral (2022), de instabilidade pública e de proliferação de querelas e de pretexto para investigações genéricas sobre pessoas, falas, opiniões e modos de expressão totalmente diversas do objeto das investigações, de modo a configurar fishing expedition”, disse o procurador-geral em manifestação enviada ao ministro Celso de Mello, relator do inquérito no STF.

Fishing expedition é um termo usado no mundo jurídico para definir investigações criminais especulativas, sem objeto determinado, ou como diz a tradução do termo, “expedição de pesca”, o ato de “pescar provas” em um material para fundamentar acusações posteriores.

Com informações do UOL

Ricardo Ribeiro
Ricardo Ribeiro
Correspondente da Fórum na Europa. Jornalista e pesquisador, é mestre em Jornalismo e Comunicação pela Universidade de Coimbra e doutorando em Política na Universidade de Edinburgh. Trabalhou na Folha de S.Paulo, Agora e UOL, entre 2008 e 2017, como repórter e editor.