Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
31 de janeiro de 2012, 16h14

Pinheirinho: terreno pode não ter sido dos alemães; e Selecta não pagava IPTU desde 1982

Na semana passada, publiquei uma história sobre uma possível origem do terreno do Pinheirinho, onde moravam as 1,6 mil famílias expulsas pela polícia e pela Guarda Civil de São José dos Campos. As terras teriam chegado às mãos da Selecta, de Naji Nahas, por caminhos bem tortuosos. A área seria propriedade de quatro irmãos alemães que teriam sido brutalmente assassinados e, sem deixar herdeiros. Por isso a propriedade teria ido parar na mão do Estado.

Essa versão circulou pela internet, com alguns historiadores corroborando a origem das terras do Pinheirinho. Na ocasião, a professora de história da Universidade do Vale do Paraíba (Univap) Valéria Zanetti de Almeida disse ter pesquisado e ouvido depoimentos de moradores antigos, que confirmavam a chacina dos irmãos Kubitzky.

Porém, após a divulgação desse fato, alguns historiadores começaram a levantar outras hipóteses da origem das terras. Na Fórum, também decidimos investigar a história.

Nesta segunda, 30, o repórter da Fórum, Igor Carvalho, que acompanhou toda a violência no despejo da população do Pinheirinho, voltou a São José dos Campos com a missão de encontrar os documentos que confirmassem os 100 anos de história do terreno.

Pois bem, aí vai o que os documentos mostram: Em 1959, o terreno chamado de Bairro do rio Comprido pertencia a Bechara Lahud. Em 10 de fevereiro de 1962, passou para os nomes de Paulo Lahud e Reston Lahud. Em 31 de março de 1975, para Reston Lahud. Em 27 de junho de 1978, Benedito Bento Filho comprou de Reston. E no dia 17 de dezembro de 1982, a área teria sido comprada pela Selecta, pertencente a Naji Nahas.

Com a falência do império de Nahas no final dos anos 1980, o terreno foi penhorado em 4 de dezembro de 1992. Porque desde a compra do terreno, a Selecta não pagava o IPTU, como explicou Denis Ometto, advogado do movimento dos moradores do Pinheirinho.

Os alemães Kubitzky assassinados em 1969, não aparecem na origem do Pinheirinho. Mas, de acordo com a apuração da Fórum, as terras dos irmãos fazem fronteira com o terreno e por isso a área é chamada de Bairro dos Alemães. Foi no Bairro dos Alemães, que cerca de 2 mil famílias ficaram abrigadas numa igreja após serem expulsas do Pinheirinho.

A Fórum ainda está apurando essa história, que ainda tem outros componentes que vão bater na operação Satiagraha.

A reportagem completa será publicada na edição de fevereiro da revista. O mais importante, porém, é que após a penhora, a prefeitura poderia ter tornado a área de interesse social. O que não ocorreu, mesmo com as famílias utilizando-a como moradia desde 2004.

Uma comissão nacional, intermediada pelo governo Lula, em 2006, para propor uma solução sequer foi recebida pela prefeitura de São José dos Campos. Na época, sob o comando do tucano Emanuel Fernandes.

Dessa história toda, nada justifica a violência e a falta de vontade política de governos em encontrarem uma solução para as famílias terem o direito à moradia digna.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum