O que o brasileiro pensa?
08 de fevereiro de 2020, 14h52

Polícia do Rio mata 80% de negros

Segundo números do Instituto de Segurança Pública, entre as 885 pessoas mortas em ações policiais no Estado do Rio de Janeiro no primeiro semestre de 2019, 711 eram negras ou pardas

Policiais Militares(BOPE,Choque,Canil, 16° e 3°BPM) relizaram uma operação de combate ao tráfico de drogas na favela do Jacarezinho e prenderam Paulo Sergio Fernandes(cabelo vermelho) e Jorge Henrique, além de farta quantidade de armas e drogas.

Há quem insista em negar que existe um forte componente racista que guia as ações das polícias em todo o Brasil, e especialmente no Rio de Janeiro, mas os números volta e meia aparecem para confirmar essa teoria.

As novas cifras que comprovam essa máxima vieram do Instituto de Segurança Pública (ISP), um órgão do do governo estadual do Rio de Janeiro, e são eloquentes: as operações policiais realizadas no Rio durante o primeiro semestre de 2019 produziram um total de 885 vítimas fatais, das quais 711 (80.3%) eram pessoas negras ou pardas.

Se comparamos esse número com o fato de os negros e pardos são cerca de 54% da população do Estado do Rio de Janeiro, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), podemos confirmar o triste verso cantado por Elza Soares, de que “a carne mais barata do mercado é a carne negra”, ou ao menos é assim aos olhos da polícia.

Além disso, o percentual de pessoas negras mortas pela polícia fluminense no primeiro semestre de 2019 é similar ao total registrado em todo o Brasil no ano de 2018. Segundo números do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, os negros e pardos foram 75,4% das vítimas mortas pela polícia em todo o país, o que significa que as cifras do Rio de Janeiro não são um caso à parte, mas sim uma tendência nacional.

Tendência que desmente o expressado nesta manhã pelo deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro. Em sua conta de Twitter, ele tentou negar o racismo na polícia com o argumento de que “a tropa é miscigenada e ninguém serve a negros ou brancos, mas sim aos brasileiros”. O parlamentar se refere à formação interna, mas evita comentar o perfil das vítimas.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum