Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
18 de agosto de 2019, 17h03

Por falta de perícia, mensagens da Vaza Jato ainda não foram utilizadas nas investigações 

Apesar das inúmeras denúncias de ilegalidade praticadas por procuradores e pelo ex-juiz Sergio Moro, a investigação tem focado apenas nas circunstâncias da invasão dos hackers nas contas de Telegram

Foto: Arquivo/ Agência Brasil

As mensagens de Telegram obtidas pelo site Intercept Brasil e divulgadas em uma série de reportagens que ficaram conhecidas como “Vaza Jato” não são, até o momento, objeto de investigação dos órgãos oficiais. Autoridades evitam considerar o material como prova sob argumento de que falta confirmar autenticidade.

Até então, a investigação tem focado apenas nas circunstâncias da invasão dos hackers nas contas de Telegram. A Polícia Federal prendeu quatro suspeitos, sendo um deles Walter Delgatti Neto, responsável por entrar no aplicativo dos procuradores e repassá-las ao jornalista Glenn Greenwald, do Intercept.

Neste domingo (18), um novo lote de conversas foi divulgado pelo The Intercept Brasil e pela Folha de S. Paulo, reforçando as ilegalidades cometidas por procuradores do núcleo da operação Lava Jato. Além de terem estabelecido um conluio com o ex-juiz Sérgio Moro para, de forma questionável, levar o ex-presidente Lula à prisão, terem se beneficiado com dinheiro em palestras para empresas que eram investigadas na operação e terem incentivado ilegalmente a investigação de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), Deltan Dallagnol e outros procuradores agiram ao arrepio da lei para obter dados sigilosos da Receita Federal de pessoas que queriam investigar.

Os novos chats de Telegram apontam que, em inúmeras ocasiões, o núcleo da Lava Jato procurou saber da vida fiscal de pessoas próximas a suspeitos investigados na operação, muitas vezes sem que houvesse qualquer indício de que essas pessoas tivessem cometido ilegalidades. Os dados eram solicitados de maneira “informal” – isto é, sem autorização judicial – a Roberto Leonel, auditor fiscal da Receita até o ano de 2018. Em 2019, no governo de Jair Bolsonaro, Leonel se tornou presidente do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

Com informações da Folha de S.Paulo. 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum