Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
05 de fevereiro de 2020, 00h46

Petrix, BBB e as redes: por que o programa ainda mobiliza tanta gente?

Em meio a uma ameaça fascista, um governo desgovernado e um absurdo novo a cada dia, o Big Brother toma os trending topics noite e dia

Reprodução

Até 2011, eu nunca tinha assistido um BBB. Não porque me ache um cristal encantado superior moral e intelectualmente, mas porque a televisão não fazia parte da minha realidade. Pois em 2011 eu arrumei um emprego em entretenimento e meu trabalho era justamente assistir o Big Brother.

Então, eu assistia. E fiquei passada com o quanto o programa mexia com as pessoas, pautava assuntos desde o bandejão da firma até o chapeiro da padaria e o elevador do prédio chique da reunião. Um fenômeno que fui entendendo aos poucos: “lá dentro” era um reflexo “aqui de fora” e reverberava porque as pessoas ou se reconheciam, ou reconheciam afetos e desafetos da vida. Aquele colega babaca. Aquela moça querida. Aquele homenzinho feio e burro mas com a autoestima nas nuvens.

O que acontece “lá dentro”, é claro, pode ser manipulado com tensão, bebida e o psicológico abalado por estar isolado com desconhecidos em uma casa. É um experimento onde as cobaias são voluntárias em troca de… sei lá. Um milhão e meio não paga a paz do anonimato e sua legenda intacta. Mesmo que você não tenha legenda alguma, qualquer coisa é melhor que “ex-BBB”. Poucos se safaram disso, como Jean Wyllys e Grazi Massafera.

Um amigo estava indignado esses dias com o tanto que o programa pauta as redes e nossos amigos, e até alguns políticos. Mas nessa edição, diante do comportamento do ginasta Petrix, que não cansava de assediar as mulheres do programa e falava nojeiras inacreditáveis, não tinha mesmo como calar.

Por que? Porque o que acontecia ali era o puro suco da normalização da cultura de estupro. E vinda de um homem que foi abusado quando criança! Como pode? Pois pode. E não é o único caso. Se os telespectadores – e até quem não assiste mas viu as imagens nas redes – se calassem diante disso, diante de um homem assediador em rede nacional, no horário nobre, se esfregando nas mulheres alcoolizadas e achando que estava arrasando, seria admitir que não há nada demais nisso, que é aceitável, que, em nome de audiência e barracos vale tudo.

Há alguns anos, talvez passasse batido. Mas não mais.  Ainda bem. Que não passe e que os militantes não descansem, não.


 

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum