Fórumcast, o podcast da Fórum
29 de maio de 2014, 17h47

Ministério da Saúde diz que publicação da portaria 415 “foi um equívoco”

A assessoria do órgão declarou que a revogação se deu por que a mesma “não foi pactuada internamente entre os gestores”, possuindo “inconsistência de redação e de gastos”

A assessoria do órgão declarou que a revogação se deu por que a mesma “não foi pactuada internamente entre os gestores”, possuindo “inconsistência de redação e de gastos”

Por Marcelo Hailer e Isadora Otoni

A Portaria 415/2014, que incluía o serviço do aborto legal na tabela do SUS (Sistema Único de Saúde), durou apenas sete dias. Anunciada pelo Ministério da Saúde no dia 22 de maio, a resolução foi revogada hoje (29), após pressão da bancada religiosa, com declarações públicas contrárias do senador Magno Malta (PR-ES) e o deputado André Moura (PSC-SE).

À Fórum, a assessoria de comunicação do Ministério da Saúde declarou que a revogação se deu por que a mesma “não foi pactuada internamente entre os gestores”, possuindo “inconsistência de redação e de gastos”. A respeito de uma portaria de tamanha importância ter sido publicada sem entendimento interno, o órgão se limitou a dizer que a sua publicação “foi um equívoco”.

A respeito do aborto legal, permitido para casos de estupros, risco para a mãe e fetos anencéfalos, o ministério disse que tudo continua como antes e que “não existe prazo para a publicação de uma nova portaria”. A reportagem também perguntou se a revogação se deu por conta da pressão da bancada religiosa no Congresso Nacional, o que foi negado, a ação teria ocorrido “sem interferência externa”. A resolução, complementar à lei 12.845, estipulava o valor de R$ 443,40 a ser repassado a cada gravidez interrompida, já prevista nos termos da lei, nos hospitais públicos.

“Chamo a atenção para que nós cristãos, que entendemos o aborto como uma afronta à natureza de Deus, nos levantemos, nos insurjamos e exijamos que essa portaria seja revogada”, anunciou Magno Malta na terça-feira (27). Para ele, a portaria obrigava o médico a “cometer um crime”.

Já o PSC anunciou em nota que o deputado André Moura havia protocolado o Projeto de Decreto Legislativo 1490/2014 para sustar a portaria. Na visão do partido, o valor estipulado é um exemplo de que “o governo reduz princípios básicos da vida e da família a pó”.

(Foto de capa: Mídia Ninja)

 

415

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum