Fórumcast, o podcast da Fórum
01 de abril de 2016, 12h13

Presidente da Unimed de Bauru defende pediatra que negou atendimento a filho de petista

“Se não é emergência, que procure um médico que aceita atender canalhas", declarou o presidente da Unimed em Bauru (SP), Roberson Antequera Moron. A opinião foi a mesma do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), que apoiou a postura da profissional.

“Se não é emergência, que procure um médico que aceita atender canalhas”, declarou o presidente da Unimed em Bauru (SP), Roberson Antequera Moron. A opinião foi a mesma do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), que apoiou a postura da profissional

Por Redação

O caso da pediatra Maria Dolores Bressan, que negou atendimento a um bebê pelo fato de a mãe ser petista, causou indignação em muita gente, mas boa parte da classe médica insiste em defendê-la.

Em entrevista ao jornal Diário Gaúcho, o presidente do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), Paulo de Argollo Mendes, inclusive disse que admirava a profissional pela atitude. “Certamente atrás disso tem uma história de desconforto, às vezes militantes de um partido fazem proselitismo constante”, argumentou.

Outro que apoiou a pediatra foi o presidente da Unimed em Bauru (SP), Roberson Antequera Moron. Ele é conhecido nas redes sociais por postagens contra o governo. “Somos seres humanos. Não somos escravos. A única obrigação ética é atender emergência. Se não é emergência, que procure um médico que aceita atender canalhas”, escreveu sobre o fato.

A Unimed é uma das empresas que financiam as chapas que concorrem à gestão dos Conselhos Regionais de Medicina pelo país. O CRM, por sua vez, é a entidade responsável por investigar desvios de conduta como os que podem envolver a postura da médica gaúcha.

Segundo a mãe da criança, Ariane Leitão, que é ex-secretária estadual de Política para Mulheres e vereadora suplente pelo PT, a pediatra acompanhava seu filho desde o nascimento, mas decidiu não atendê-lo mais depois das notícias ligadas à operação Lava-Jato.

Ariane protocolou uma denúncia nos órgãos competentes e trouxe a história a público para alertar para os riscos da intolerância crescente no país. “Compartilho com vocês para mostrar a que ponto de demência essa gente, que não aceita opinião diferente da sua, pode chegar em seus ataques!”, publicou no Facebook.

Foto de capa: Reprodução/Facebook


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum