PSOL propõe comissão externa da Câmara para acompanhar denúncias de violência policial

Bancada destaca aumento de mortes em abordagens policiais; relembre casos recentes registrados pela Fórum

A bancada do PSOL apresentou nesta quarta-feira (15) proposta para a criação de uma comissão externa para acompanhar denúncias de violência policial, uso desproporcional da força e letalidade policial em comunidades periféricas do país. A comissão funcionaria sem custo para a Câmara dos Deputados e depende apenas da autorização do presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ).

No requerimento, a bancada cita o aumento do número de pessoas mortas em abordagens policiais em algumas cidades brasileiras. Em São Paulo, de janeiro a maio de 2020 é o maior de toda a série histórica iniciada em 2001: 442 vítimas. No Rio de Janeiro, houve um aumento de 43% no número de mortes causadas por agentes do estado em relação a abril de 2019. Dados do Atlas da Violência apontam que 75,5% das vítimas de homicídio no Brasil são negras, maior proporção da última década.

Entre outros, dois casos recentes em São Paulo tiveram forte repercussão. No dia 30 de maio, um policial militar pisou no pescoço de uma mulher negra de 51 anos, durante uma abordagem em Parelheiros, na zona sul. Na última terça-feira (14), um motoboy de 23 anos também foi sufocado por PMs, enquanto gritava “não consigo respirar”, na avenida Rebouças, zona oeste da capital paulista. Neste último caso, procurada pela Fórum, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo decidiu se omitir.

Na proposta da comissão, o PSOL ressaltou que o trabalho de investigação e correção de irregularidades policiais foi impactado de forma negativa devido a disseminação entre políticos e autoridades de um discurso que exalta a dureza e a violência policial.

“Quando lideranças políticas como um governador, ou como um presidente, verbalizam que a política de segurança pública deve tolerar a morte, e que a violência é um meio para lidar com problemas do cotidiano, essas lideranças legitimam que forças de segurança ajam como bem entendem, com desvios e abusos”, afirmou o partido.

Avatar de Ricardo Ribeiro

Ricardo Ribeiro

Correspondente da Fórum na Europa. Jornalista e pesquisador, é mestre em Jornalismo e Comunicação pela Universidade de Coimbra e doutorando em Política na Universidade de Edinburgh. Trabalhou na Folha de S.Paulo, Agora e UOL, entre 2008 e 2017, como repórter e editor.

Em 2021, escolha a Fórum.

Todos os dias Fórum publica de 80 a 100 matérias desde às 6h da manhã até à meia-noite. São 18h de textos inéditos feitos pela equipe de 10 jornalistas da redação e também por mais de três dezenas de colaboradores eventuais.

E ainda temos 3 programas diários no YouTube. O Fórum Café, com Cris Coghi e Plínio Teodoro, o Fórum Onze e Meia, com Dri Delorenzo e este editor, e o Jornal da Fórum, com Cynara Menezes. Além de vários outros programas semanais, como o Fórum Sindical, apresentado pela Maria Frô.

Tudo envolve custos. E é uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar neste ano, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

É fácil. Clique em apoiar e escolha a melhor forma de escolher a Fórum em 2021.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR