quarta-feira, 21 out 2020
Publicidade

Queiroz vai assumir a responsabilidade por corrupção no gabinete de Flávio Bolsonaro, diz revista

Sobre os R$ 89 mil depositados na conta de Michelle Bolsonaro, a Veja não revela a estratégia, mas tudo indica que Queiroz deve corroborar a versão do presidente, de devolução de empréstimo ao amigo

Reportagem da revista Veja, que chega às bancas nesta sexta-feira (18), afirma que Fabrício Queiroz já traçou a estratégia de defesa com advogados e vai assumir a responsabilidade pelo esquema de corrupção – conhecido como “rachadinha” – no gabinete do então deputado Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), caso o atual senador não consiga anular todo o processo em instâncias superiores.

Em discurso ensaiado com a defesa, Queiroz deve dizer, por exemplo, que havia um esquema de trabalho “remoto” no gabinete para justificar os inúmeros funcionários – fantasmas, na visão do Ministério Público – que nunca estiveram na Alerj, boa parte deles familiares do próprio Flávio Bolsonaro.

Queiroz deve dizer ainda que o R$ 1,2 milhão que movimentou em suas contas foram repassados pela mulher e as duas filhas que trabalharam no gabinete. Em relação aos R$ 800 mil repassados por outros funcionários, ele vai argumentar que cada um poderia fazer o que bem entendesse com o salário recebido.

Sobre os R$ 89 mil depositados na conta da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, a revista não menciona a estratégia da defesa, mas tudo indica que Queiroz deve corroborar a versão que será mantida por Jair Bolsonaro, de que seria a devolução de um empréstimo ao amigo.

A revista ainda relembra uma mensagem que Queiroz teria enviado à esposa, Márcia Aguiar, ainda durante a “estadia” na casa do advogado Frederick Wassef explicando que o futuro das suas filhas dependia do seu silêncio. “Os amigos estão ajudando. Tudo irá se resolver, você vai ver”.

Plinio Teodoro
Plinio Teodoro
Plínio Teodoro Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.