Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
08 de fevereiro de 2012, 19h13

Rebelião Cultural visa humanizar espaço penitenciário no Rio de Janeiro

Muros altos. Cercas. Isolamento. Essas são algumas, entre tantas realidades vividas pelos detentos do sistema carcerário. A vida de reclusão, além de privar a liberdade como forma de pagamento de pena por uma infração cometida, priva também o acesso à cultura, esporte e educação. No Rio de Janeiro, há menos de um mês, um projeto vem tentando mudar essa realidade através de várias ações.

Trata-se do Projeto Rebelião Cultural – resultado do F-4, uma junção das organizações não governamentais AfroReggae, Observatório de Favelas, Nós do Morro e Cufa, – que tem como objetivo humanizar o espaço carcerário, além de dar aos detentos, a oportunidade de viver a arte e o esporte, propiciando o estímulo da criatividade cultural. O projeto é realizado nas cinco unidades do Complexo Penitenciário de Bangu, no Rio de Janeiro, e atende em média 650 detentos.

Desenhado há cerca de dois anos, a ideia inicial do Rebelião Cultural era realizar um trabalho de acompanhamento para aqueles presos que estivessem próximos a obterem a liberdade, mas a falta de recursos permitiu apenas a realização de oficinas sócio-educativas.

Para dar consistência ao projeto, os idealizadores realizavam visitas aos presídios para analisar a estrutura do espaço físico e, junto com coordenadores, profissionais e agentes, pensarem a melhor forma e oportunidade de difundir as novas atividades.

Ao todo, nove cursos são oferecidos: Audiovisual, Fotografia, Música, Teatro, Percussão, Capoeira, Grafite, Informática e Basquete. Os professores são ex-alunos de cursos ofertados pelas instituições e são, também, moradores de favelas. As aulas acontecem uma vez por semana e têm duração de duas horas.

De acordo com Elionalva Sousa Silva, uma das coordenadoras do Observatório de Favelas, o F-4 foi bem recebido nos presídios em que atua. "Essa é a primeira vez que 4 ONGs da sociedade civil entram no sistema penitenciário brasileiro para realizar um trabalho como esse", diz.

Os detentos receberam com muita expectativa a iniciativa e é possível perceber a dedicação e a entrega com que eles realizam as atividades, "Eles parecem criança", afirma a coordenadora. E diz ainda: "Nós não temos a pretensão de formar profissionais, mas dar oportunidade de fazer exercer a criatividade, através dessas ações".

De acordo com a coordenadora, há pouco investimento social nessa área e poucas oportunidades. "Existe um discurso negativo em torno desta questão", afirma. Mas mesmo com as adversidades, Elionalva avalia como positivo os resultados até agora apresentados.

O projeto tem o apoio da Secretaria de Administração Penitenciária do Estado do Rio de Janeiro (Seap) e da Secretaria Especial dos Direitos Humanos do Governo Federal, e é financiado pela Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir).

A duração dos cursos é de 1 ano, e ao final, será feito um levantamento apresentando os resultados das atividades. Futuramente, o F-4 pretende ampliar a atuação do Rebelião Cultural e fazer com que este programa seja incorporado como Políticas Públicas do Governo Federal.

Para saber mais sobre o projeto, basta acessar o site das instituições integrantes do F-4:
Observatório de Favelas: www.observatoriodefavelas.org.br
CUFA: www.cufa.org.br
AfroReggae: www.afroreggae.org.br
Nós do Morro: www.nosdomorro.com.br

As matérias do projeto "Ações pela Vida" são produzidas com o apoio do Fundo Nacional de Solidariedade da CF 2008.
Com informações da Adital.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags