Fórumcast, o podcast da Fórum
13 de dezembro de 2016, 18h15

Relator recomenda suspensão do mandato de Jean Wyllys por quatro meses

O motivo da cassação é o cuspe que Jean deu em Bolsonaro no dia da votação da admissibilidade do impeachment.

Por Redação*

O deputado Ricardo Izar (PP-SP) acaba de apresentar relatório ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara em que recomenda a suspensão do exercício do mandato do deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) por quatro meses, devido a uma cusparada no deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ). O episódio ocorreu no Plenário da Câmara, em 17 de abril, durante a votação da admissibilidade do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. O processo contra Wyllys é movido pela Mesa Diretora, que havia sugerido a suspensão do exercício do mandato por até seis meses.

Em seu parecer, Izar argumenta que “tendo em vista o alto grau de reprovabilidade da conduta de Jean Wyllys, o representado deve sofrer severa reprimenda por parte desta Casa, restando assim clara mensagem à sociedade no sentido de que este Parlamento não admite o cometimento de infrações dessa natureza”.

Ao justificar a punição, o relator afirmou que “ante a comprovação, através da análise das robustas provas produzidas nos autos, da existência de reiterada provocação levada a efeito por alguns parlamentares em face do representado e das circunstâncias excepcionais do momento, mostra-se justa, adequada, proporcional e suficiente a sanção de suspensão do exercício do mandato pelo prazo de 120 dias”, escreveu Ricardo Izar.

Jean Wyllys não compareceu à reunião de hoje, no conselho. Em sua defesa, o advogado Cezar Britto apresentou três vídeos com agressões verbais de Jair Bolsonaro a Wyllys, e o cuspe do também deputado Eduardo Bolsonaro (PSC-SP) em Wyllys, na mesma sessão da Câmara de 17 de abril.

O advogado reafirmou que o ato de Wyllys foi uma reação em “defesa da honra” diante de insultos e atos de “homofobia reiterada” de Bolsonaro. “Quanto tempo uma pessoa aguenta uma série de agressões como essa?”, questionou.

Perícia

Britto acrescentou que a denúncia contra Wyllys se baseou em falsa premissa de premeditação. A pedido do Conselho de Ética, a Polícia Civil do Distrito Federal fez uma perícia no vídeo apresentado por Bolsonaro como prova de suposta premeditação de Jean Wyllys em cuspir nele.

No vídeo, Wyllys conversa com o deputado Chico Alencar (Psol-RJ). A transcrição do diálogo exibida nas redes sociais do filho de Bolsonaro (deputado Eduardo Bolsonaro) sugere a seguinte fala de Wyllys: “Eu vou cuspir na cara do Bolsonaro, Chico”. Porém, a perícia constatou que o diálogo ocorreu após o episódio do cuspe e que a frase real foi: “Eu cuspi na cara do Bolsonaro, Chico”.

Pedido de vista

O deputado Júlio Delgado (PSB-MG) já anunciou que pedirá vista do relatório de Ricardo Izar, a fim de analisá-lo por mais tempo. Em princípio, o tempo regimental de vista é de dois dias úteis, mas o presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo (PR-BA), fez um apelo a Delgado para que a votação do texto ocorra antes do recesso parlamentar.

*Com informações da Agência Câmara


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum