Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
09 de julho de 2018, 19h46

Rodrigo Abel: Somos todos um pouco Crivella

"O comportamento do prefeito Marcelo Crivella, ao oferecer para sua clientela um conjunto de benesses, é a genuína expressão de uma cultura que está presente em nosso meio e que reproduzimos em nosso dia a dia com enorme naturalidade"

Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

Por Rodrigo Abel*

Se você se incomodou com o título desse artigo, então comece a mudar seu comportamento hoje. Sabe por quê?

Porque o comportamento do prefeito Marcelo Crivella, que ao propor a sua clientela um conjunto de benesses, as quais a grande maioria da sociedade não teria acesso “preferencial” se não fosse evangélico e amigo de um dos 250 pastores presentes ao Palácio da Cidade na semana passada, revela algo que a mim, ao menos, não me surpreende em nada, pois é a genuína expressão de uma cultura que está presente em nosso meio e que reproduzimos em nosso dia a dia com enorme naturalidade.

Infelizmente, por exemplo, nos acostumamos a andar pelas ruas do Rio de Janeiro tomadas por mesas e cadeiras de bares, que alheios as crianças, gestantes ou idosos, invadem as calcadas nos obrigando a verdadeiros contorcionismos. Achamos por vezes engraçado aquelas cenas de empurra empurra e correria na busca por um assento no metro, chegando ao cúmulo da incivilidade de possuirmos vagões dedicados às mulheres – assédio e machismo que mata! Pobre daquele pediatra que não fornece seu celular para que possamos contatá-lo a hora e o momento que quisermos. Colocamos música alta a qualquer hora e lugar, como se todos estivessem a fim de curtir o momento que é somente nosso.

E sobre a famosa fila? Essa a gente odeia com toda força! Aqui a gente fica indignado com a fila de espera para subir o Cristo Redentor – em Florença se leva em média 3 horas de espera para entrar na Galeria Ufizzi. Fila para vagas em escolas, cirurgias ou emprego, parece que existem somente para tentarmos furá-las. É a tal maratona atrás de quem pode me ajudar. Ao fim, tudo isso produz uma sociedade cada vez mais anti democrática, onde o “eu” domina o mundo, enquanto o “nós” é cada vez mais uma simples preposição sem valor simbólico algum.

Espero, sinceramente, que o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, seja rigorosamente punido, afinal de contas precisamos de bons exemplos dos de “cima”. Mas ao fim, de pouco adiantará puni-lo sem que façamos uma profunda reflexão dos nossos comportamentos diários, pois são das nossas ações que surgem e se proliferam tantos outros Crivella’s por aí.

*Rodrigo Abel é doutorando em Ciência Política pela Universidade de Lisboa


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum