Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
13 de janeiro de 2014, 18h36

Rolezinho: ato em SP vai “denunciar o caráter racista” de shoppings

Para um dos organizadores, repressão é tentativa de "impedir a presença de jovens, moradores de periferia, na sua ampla maioria negros" nos centros comerciais

Para um dos organizadores, repressão é tentativa de “impedir a presença de jovens, moradores de periferia, na sua ampla maioria negros” nos centros comerciais

Por Igor Carvalho

Rolezinho em Itaquera (Foto: Reprodução/Facebook)

Marcada para o próximo sábado (18), às 12h, uma manifestação contra a repressão dos shopping centers ao movimento conhecido como “rolezinho”, realizado por jovens das periferias de São Paulo. Segundo Juninho Jr., do Círculo Palmarino, um dos organizadores do ato, a intenção é “denunciar o caráter racista das ações que vem sendo promovidas pelos shoppings de São Paulo.”

A manifestação seguirá até a entrada do shopping JK Iguatemi, um dos mais ricos da capital paulista, que no último sábado exigiu os documentos de frequentadores do local e até dos funcionários que trabalham nas lojas para evitar o “rolezinho”. Menores de idade desacompanhados não puderam frequentar o espaço.

O “rolezinho”, para Juninho, é a consequência do ideal de consumo propagado pelas elites, frequentadoras assíduas dos shoppings. “A burguesia propaga cotidianamente que para você ser alguém, ser reconhecido, é necessário ter e consumir, e o funk ostentação dialoga com esse sentimento. Porém, enquanto esses jovens sonharem com carros de luxo, roupas de marca, lá na periferia, tudo bem, o problema é quando eles desejam ocupar os espaços que tradicionalmente só são ocupado pelo andar de cima, ai gera uma contradição que a elite não consegue responder senão pela repressão.”

No último sábado (11), a Polícia Militar chegou a usar gás lacrimogêneo e bala de borracha para dispersar o “rolezinho” em um shopping de Itaquera. Três jovens foram detidos.

Confira a entrevista com Juninho Jr.

Fórum – Qual o objetivo do ato?
Juninhor Jr. – O objetivo do ato é denunciar o caráter racista das ações que vêm sendo promovidas pelos shoppings de São Paulo, que tentam impedir a presença de jovens, moradores de periferia, na sua ampla maioria negros, que estão sendo impedidos de realizar os seus encontros chamados de “rolezinho”.

Fórum –  Na concepção dos organizadores, o que significa o “rolezinho” e, mais ainda, porque a repressão?
A burguesia propaga cotidianamente que para você ser alguém, ser reconhecido, é necessário ter e consumir, e o funk ostentação dialoga com esse sentimento. Porém, enquanto esses jovens sonharem com carros de luxo, roupas de marca, lá na periferia, tudo bem, o problema é quando eles desejam ocupar os espaços que tradicionalmente só são ocupado pelo andar de cima, ai gera uma contradição que a elite não consegue responder senão pela repressão, expondo abertamente a segregação social, territorial e racial que existe no seio da sociedade brasileira.

Fórum – Por que o movimento foi criminalizado?
A criminalização contra expressões culturais da comunidade negra não é novidade, já sofremos isso com a capoeira, religiões de matriz africana e comunidade tradicionais, contra o samba, contra o rap, e a bola da vez é o funk. Os rolezinhos e o funk ostentação estão longe de serem movimentos que propõem mudanças sociais, mas não podemos negar que são expressões das contradições da sociedade que vivemos, profundamente desigual, onde poucos têm muito e a grande maioria vive com muito pouco, sem acesso à cidadania plena e direitos como educação, saúde, transporte, cultura e tantos outros problemas que enfrentamos.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum