Romário chama ministro de Educação de imbecil por fala sobre crianças com deficiência

O senador e ex-jogador de futebol é pai de uma adolescente com Síndrome de Down e um defensor da política de inclusão, criticada por Milton Ribeiro

O senador e ex-jogador de futebol Romário (PSB-RJ) foi às redes sociais criticar a fala do ministro da Educação, Milton Ribeiro, de que estudantes com deficiência “atrapalham” os colegas. Para o parlamentar, Ribeiro é “privado de inteligência” e “imbecil”.

“Somente uma pessoa privada de inteligência, aqueles que chamamos de imbecil, podem soltar uma frase como essa. Eles existem aos montes, mas não esperamos que estes ocupem o lugar de ministro da Educação de um país”, declarou Romário.

Para o senador, “a diversidade em sala de aula não atrapalha, porque ninguém que busque o conhecimento atrapalha. Pessoas com deficiência em sala de aula estão, com a sua presença, também contribuindo para uma importante lição, a de que somos diversos e que não podemos deixar ninguém pra trás”.

Romário também afirmou que o ministro da Educação “faltou a muitas aulas, deixando a imbecilidade tomar o lugar da inteligência e da humanidade”.

O ministro da Educação respondeu o parlamentar e, em sua resposta, cometeu um erro ortográfico e escreveu “dirige” com J.

Notícias relacionadas

Avatar de Marcelo Hailer

Marcelo Hailer

Jornalista (USJ), mestre em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) e doutor em Ciências Socais (PUC-SP). Professor convidado do Cogeae/PUC e pesquisador do Núcleo Inanna de Pesquisas sobre Sexualidades, Feminismos, Gêneros e Diferenças (NIP-PUC-SP). É autor do livro “A construção da heternormatividade em personagens gays na televenovela” (Novas Edições Acadêmicas) e um dos autores de “O rosa, o azul e as mil cores do arco-íris: Gêneros, corpos e sexualidades na formação docente” (AnnaBlume).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR